14 fevereiro 2021

PARALELOS


 

                                              

Mora a história em cada espaço alcançado pelo nosso olhar. Podemos conhecer a do fora e apenas imaginar a que existiu dentro deles. Por vezes, há brilho e luz. Em outras, abandono e destruição. Mas todos abrigam vidas. Sim, abrigam, no presente, pois todos os espaços têm, em si, as vozes, os anseios, as esperanças, as dores, as lágrimas... e tudo o mais dos que por ali já passaram. Entranhadas ficam nas lembranças, e nas próprias janelas que um dia se abriram mostrando a vida, de dentro e de fora.
 
Quando observo a arquitetura das cidades, notadamente das valorizadas por sua antiguidade, hoje pontos turísticos, não consigo dissociar o presente do passado. Cada detalhe tem, por certo, significados que não podem ser decifrados por olhares vagos, passageiros, indiferentes ao ontem. Fico a imaginar as pessoas que habitaram os imóveis, tão diferentes de nós em hábitos, na maneira de vestir, nas tradições abraçadas. E tão iguais quando pensamos em suas aspirações, eis que os seres humanos sempre acalentam sonhos, ilusões, desejos dos mais diversos. Alguns não poderiam imaginar os candeeiros substituídos por lâmpadas, os poços artesianos trocados pela água encanada, os trens desaparecendo com a chegada dos ônibus... as mudanças estruturais, de trabalho, de comunicação.
 
Creio que a insegurança e o medo sempre existiram, mas usavam roupagem bem diferente, inobstante algumas situações do ontem venham até os nossos dias. Vozes de insurreição não eram ouvidas, a ausência de respeito pelas diferenças não se desfez, os discursos machistas eram considerados até adequados, as minorias permanecem como tal embora hoje lutem mais para se tornar visíveis e com direitos.
 
Prédios antigos, cuja arquitetura admiro e que parecem destoar da paisagem em muitos centros urbanos, sempre me encantam. São arte, são beleza, são riqueza. Voltando, no entanto, aos que neles viveram, trabalharam, sonharam, sinto que todos são como os que habitamos, silenciosos em sentimentos e em vida. Apenas o lado de fora é valorizado, comportamento comum no olhar de um ser humano para outro, sempre atento a inúteis detalhes que o tempo levará, pois somos finitos e jamais nos perpetuaremos como aqueles imóveis, patrimônios históricos que merecem preservação por significarem cultura.


                                                              Marilene



32 comentários:

  1. Um bom texto que muito gostei de ler

    Cumprimentos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. One of the best decision i ever made was contacting Dr Otonokpo to help me get my lover back, I was life filled with happiness after i contacted Dr Otonokpo because he didn't just bring my lover back to me he also made our love for each other more unique and superb. If you need to spice your relationship with more love and attention contact Dr Otonokpo on his Email Address otonokpotemple@gmail.com, call/whatsapp him via his contact +2348114129781 and be happy just like i am, thanks Dr Otonokpo for your great work.

      Excluir
  2. Belo texto,marilene. Nos fazes bem pensar no dentro e fora, nos moradores de ontem, de hoje, no quanto aconteceu em cada janela daquelas, e assim por diante.As arquiteturas são belas, mas em nome do patrimônio histórico, por vezes ,por nao poderem modificar, perdem valor e ningué,m se interessa em morar. Vi muito disso na Itália...Os imóveis "imexÍveis" estão às moscas,aos pedaços, ruínas. Por falar nisso, em passado do imóivel, vi no twitter esses dias que háum site que antes de te hospedares em um hotel( por enquanto na Europa e EUA) ali sabes TUDO que ocorreu naqueles quartos;;mortes, assassinatos, suicídios, roubos,enfim,tragédias,rs...Fiquei pensando no motivo pelo qual nesse site não aparecem as coisasbem boas que em cada quarto aconteceu,né? E devem ter muitas... Bah...Fiz jornal! beijos, tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  3. As cidades abraçam nos, as vezes como a morte, outras como o destino
    Gostei

    ResponderExcluir
  4. A minha apetência pela História leva-me em deambulações a esses monumentos,
    a esses edifícios antigos tentando adivinhar, para além do que se encontra escrito, as vidas, os sonhos, as doenças da época, as dificuldades...sim, porque nem tudo era um conto de fadas.
    Mas também, quando passo por um prédio, uma casa abandonada, a cair, a desgastar-se, com ervas a crescer sem destino, penso nas pessoas que lá viveram e que tiveram gosto na sua construção e nos momentos ali passados...
    Belo o seu texto, cara Marilene.
    Beijos
    Olinda

    ResponderExcluir
  5. Sou, como vc, tocada pelas histórias que moram nas antigas construções para além do lado de fora. Prezo o passado histórico que nos revela épocas e costumes, mas também, vidas.
    Em minha inclinação pela história visito um passado á vezes, sabido, às vezes, imaginado.
    Bom te ler.
    Bjo, Mari.
    Carmen

    ResponderExcluir
  6. Gostei muito do seu texto, de quem olha atentamente, e escuta as vozes dos tempos.

    Beijinhos.

    ResponderExcluir
  7. MArilene
    Achei o seu texto uma beleza e uma realidade dos tempos.
    Sabe, eu gosto muito de apreciar as casas antigas.
    E se encontra alguma abandonada então adoro fotografar e imaginar, como seria quem ali viveu.
    Beijinhos
    :)

    ResponderExcluir
  8. Gostei de ler o seu artigo, Marilene.
    Os bairros degradados afligem-me, mas por vezes, uma ou outra casa tocam-me poeticamente.
    Adoro apreciar casas recuperadas e tratadas com carinho, mesmo que não tenham grande valor arquitetónico...
    Boa semana, Marilene. Beijos
    ~~~~~~

    ResponderExcluir
  9. Olá, Marilene, um ótimo tema desenvolvido nessa bela crônica. Gostei muito das referências feitas às casas antigas, aos possíveis moradores (quem foram eles, o que faziam, como viveram).
    Pois é, Marilene, eu também gosto muito de caminhar em meio aos prédios antigos, aqui em Porto Alegre. Aqui temos ruas em vários bairros com muitas casas antigas onde viveram famílias de posses e que se esmeraram nas suas construções.
    Quantas vezes passei por essas casas, que me deixarem convite para retornar!
    Parabéns pela crônica!
    Uma boa semana, com muita paz e saúde.
    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  10. Numa época em que o modernismo descactriza as fachadas das nossas ruas cujas casas são um património para os vindouros, vão surgindo os refractários-e ainda bem- que resistem ao desmantelamento dessas memórias. A par desta reflexão e como muito bem refere, quem são os seus habtantes, como pensam?
    Implacávéis as máquinas avaçam. O curioso é este espaço ser o mais interessante para o turismo. Aí como aqui, Marilene.
    Belíssima reflexão
    beijinho grande!

    ResponderExcluir
  11. Perfeita esta sua crónica Marilene.
    As casas antigas sempre me fascinaram também, fico imaginando quantas histórias por detrás de cada porta de cada janela. Quantos sonhos, quantas tragédias...
    Tudo vai mudando e se adaptando a novas realidades ao longo dos anos, mas esses "paralelos" mostram-nos, como bem frisou, que somos finitos.

    Um beijinho

    ResponderExcluir
  12. Verdade, Marilene! Aqui, na Bahia, temos muitas cidades antigas e, por força da profissão, conheço algumas e os seus prédios. Sempre me pego pensando nas pessoas que os habitaram: nas "senhorinhas" e nos "cortejadores" e nas emoções que viveram entre suas paredes. E ainda vivem, porque certas coisas o tempo não muda! Belo post, amiga! Meu abraço, bom resto de semana.

    ResponderExcluir
  13. Gosto também de devanear sobre as moradias, mas tem algo que não me apraz quando estou em cidades seculares: sinto um peso inexplicável, como se minha sensibilidade captasse mais do que o visível.Bjs

    ResponderExcluir

  14. Li a sua crónica com bastante interesse, até porque trata muito bem a Língua, e no final, seja ele qual for, surge a clássica constatação: o ser humano vai mudando a forma, mas raramente o conteúdo. E a Marilene, pela forma como discorre, sabe muito bem disso.
    Gostei, escreve muito bem.

    Beijinho :)

    ResponderExcluir
  15. Oi, Marilene, tinha lido esta tua excelente crônica, mas ela merecia toda a minha calma para comentar!
    Quando eu levava meus cachorros para passear, um de cada vez (rss), gostava muito de olhar os prédios, as casas. Mas o que mais me chamava a atenção eram os prédios com sacadas com muitas flores, e as janelas com cortinas de crochê, muito lidas! Tudo tão alegre, parecia que aquela gente era muito feliz! Talvez o efeito das flores... Minha curiosidade era sobre suas vidas, o que faziam? Eram felizes ou solitárias, como viviam? Havia um solteirão na rua de trás, muito esquisito. A casa sempre fechada, mas o carro no jardim. Nunca consegui ver o rosto do deprimido. Outra velhinha na sacada, eu sempre dava uma abanadinha e a ela correspondia. Acho que ficamos amigas... No outro prédio havia uma faxineira que se dependurava para limpar o cantinho da janela, eu ficava a olhar se não iria despencar... E assim eram meus passeios muito curiosos com nossos cachorros. Esses passeios me levavam logicamente à reflexões dos humanos e suas moradias. E continuo adorando esses passeios observadores, é mania. Escrevi algumas crônicas sobre isso. Por isso adoro as crônicas do nosso cotidiano. E adorei a tua, mas se não me policiar, saio de um assunto e entro no outro... Por isso te deixo um beijo, e uma boa noite!!!
    Adorei te ler, como sempre.

    ResponderExcluir
  16. E uma cultura que anda cada vez mais desvalorizada, Marilene...

    ResponderExcluir
  17. É como a Chica falou, os prédios antigos estão entregues à sorte pelo patrimônio histórico. Valorizados mesmo estão a corrupção, a falta de vergonha, a violência, etc. Bela e verdadeira a tua crônica amiga. Parabéns!

    Beijos e uma ótima semana para ti e para os teus.

    Furtado

    ResponderExcluir
  18. Meu abraço, amiga, e o desejo que estejas bem; aguardo o próximo post. Boa semana!

    ResponderExcluir
  19. Como você está, amiga? Com esta situação que estamos passando, preocupam-me a não mudança do post e a falta de notícias! Espero que esteja tudo bem, por aí. Meu abraço, bom fim de semana!

    ResponderExcluir
  20. que lindo texto. quanta coisa da para pensar , o que acontece nos lugares que conhecemos ! Beijao

    ResponderExcluir
  21. Saudades suas, querida Marilene!
    Amanhã passarei um e-mail atrás de notícias!
    Beijo!

    ResponderExcluir
  22. One of the best decision i ever made was contacting Dr Otonokpo to help me get my lover back, I was life filled with happiness after i contacted Dr Otonokpo because he didn't just bring my lover back to me he also made our love for each other more unique and superb. If you need to spice your relationship with more love and attention contact Dr Otonokpo on his Email Address otonokpotemple@gmail.com, call/whatsapp him via his contact +2348114129781 and be happy just like i am, thanks Dr Otonokpo for your great work.

    ResponderExcluir
  23. Oi Marilene!
    Estou dando uma passadinha pra te desejar um Natal Feliz e um abençoado 2022 pra você e os teus, que a chegada de um novo ano seja um presente de Deus repleto de amor, esperança e otimismo.
    Um Abraço!

    ResponderExcluir
  24. Good article, thanks for sharing, please visit

    our website

    ResponderExcluir

Marque presença! Ficarei feliz com seu comentário.