18 de jul de 2011

O FÁCIL PODE SER ÓTIMO


                                                              

Fiquei encantada com um texto publicado por IVAN MARTINS, diretor-executivo de ÉPOCA. Eu me vi nele, em muitos aspectos. Discorreu sobre a falsa imagem que temos a propósito do amor tido como fácil. Crescemos ouvindo que a vida é dura e que temos que lutar para conseguir vencer. A partir daí, passamos a ver todas as coisas como desafios. E o pior, desafios que nos impomos a necessidade de superar. E quantas vezes acabamos nos perguntando: para que? por que?

Diz ele, sabiamente, que o amor há que ser fácil. O que nos chega de forma gratuíta não há que ser dispensado, tão somente, porque não exigiu luta. As pessoas que amam, verdadeiramente, se dão. E há aquelas que nos impõem uma árdua conquista, para percebermos, a final, que nada havia lá além da indiferença que tanto nos atraiu.


                                                         
Já fui vítima desse ardil. Os amores que me foram oferecidos sem preço algum, cheguei a desvalorizar. Estava muito fácil, simples demais. E me empenhei, outras vezes, em vencer barreiras, pelo prazer da conquista. A luta era um estímulo, um afrodisíaco. Mas as vitórias não me trouxeram o sabor esperado.

Certa vez assisti uma peça onde a jovem sofria, desesperadamente, porque seu amado saía sem dar explicações, chegava tarde... e o resultado era, consequentemente, brigas, desarmonias, noites insones e lágrimas. Um dia, sua avó veio visitá-la. Com a sabedoria da experiência, disse-lhe que possuía um feitiço, há muito aprendido, que poderia salvá-la desse sofrimento. A jovem, imediatamente, se interessou. Sua avó lhe deu uma pequena bola, que podia ser escondida na mão, esclarecendo que, a cada vez que ela se sentisse enraivecida diante do amado, deveria apertar a bola com força e permanecer em silêncio. Ela não viu benefícios no comportamento, mas passou a adotá-lo. As brigas, consequentemente, cessaram. E ela passou a sentir vontade de realizar, sozinha, algumas atividades. Parou de correr e perseguir. E as posições se inverteram. Ao ver que ela não o vigiava, não o questionava, passou ele a se preocupar com os sentimentos dela. Começou a não se sentir amado e procurava, a cada dia, ficar mais perto. A moral da história da peça era que, quando você para de correr atrás de alguém e esse alguém olha para trás e não a vê, começa a retornar, ansioso por descobrir o que aconteceu.


                                                       
Simples, assim. Aliás, se não o fizer, não desejava a sua companhia. E quem não quer estar ao nosso lado, deve mesmo partir, fugir do alcance de nosso olhar.

Hoje, vejo que o amor requer, realmente, facilidade. Não exige qualquer luta. Há que surgir, naturalmente. Se nos é oferecido, com tranquilidade, não o devemos desprezar . Nem sempre o que desejamos é o que nos vai fazer feliz. E mais, nem sempre o desejamos de fato, quando  nos é negado,  apenas queremos sentir o tolo  gosto de  nos sentirmos vencedores. Porque não retribuir um sorriso gratuíto? Porque não dar vazão a uma conversa que surgiu do nada? Por ser fácil? A vida já nos exige muito empenho para galpar espaços profissionais, financeiros... e não devemos gastar nossa energia para obter amor.


11 comentários:

  1. Belo texto Marilene!.. Muitas vezes se é confundido o verdadeiro amar com o desejo de conquistar.. ganhar o que está fora de nosso alcance.. e é exatamente aí que aparecem as decepções e frustrações.

    Beijo grande em seu coração..
    Verinha

    ResponderExcluir
  2. MEU DEUS!! Estou nessa situação! Que lindo! Me fez ver que realmente não se ama sufocando nem perseguindo nem perdendo noites de sono vigiando e procurando traições e problemas!
    O amor é leve e espontâneo, recíproco e carinhoso!

    POSSO COPIAR!??

    BEIJOSSS

    Ameiiiiiiiiiii

    ResponderExcluir
  3. Concordo.
    O amor acontece. Dificuldades acabam gerando conquistas equivocadas, em razão do orgulho ou do interesse da posse.
    O que chega fácil pode ser o que já estava preparado para nós. Por que não abraçar a oportunidade? Por que recusar o presente? Teria menos valor porque foi adquirido facilmente?
    Beijos?

    ResponderExcluir
  4. Realmente Marilene um escelente ponto de vista que conquista.
    Beijos e boa noite!!
    Carla

    ResponderExcluir
  5. Sábias palavras amigas!
    Excelente post como sempre.
    Bj

    ResponderExcluir
  6. mar, o amor é difícil, não é fácil mantê-lo, não é fácil segura-lo, não é fácil tbem amar, o amor exige, quer tempo, companhia, que companhia, compreensão, e cuidados, entre o amor e paixão amiga não vejo diferença e tenho dificuldades de saber quando é um qdo é o outro, quem sabe separá-los acho de uma engenharia fantástica, uma arte, eu ainda prefiro os dois, sem querer saber quem vem antes ou depois, prefiro acreditar que o amor precisa de cuidados cirúrgicos, de gestos delicados, de ternura, de companhia...não acho que demos sair por ai enlouquecido, não dar espaço, assim não é só o amor que morre intoxicado do veneno da loucura.gosto de pensar que o amor que é amor cuida e cuida-se.
    querida como sempre os textos de uma força fantástica, instiga, reinventa, cria, auxilia a vida, dar uma sacudida... gosto demais de vir aqui.

    fica na paz, com carinho, amor, paixão e sedução, que são o elixir da vida.

    beijinhos e uma linda noite pra ti...

    ResponderExcluir
  7. Nossa, Marilene!!!


    Paguei um pau no seu texto e as ponderacoes sobre o "amor fácil"!! Muitas vezes já me perguntei sobre isso, por que tanta representacao?? Vc já se pegou numa situacao de quer ligar para alguém, procurar alguém, investir em alguém, dizer que ama alguém, mas ao contrário de faze-lo se condena, dizendo:
    "Ah, nao devo correr atrás!" ou "Ah, nao posso demonstrar muito para nao parecer que gosto mais que ele..." ou ainda "Nao vale a pena dizer nada!"
    E por que nao?? É tao bom sentir, viver, poder declarar isso.. mas lamentavelmente, vivemos num mundo de regras e valores ultrapassados, onde tentamos e lutamos constantemente encaixar-nos nele (mesmo sem querer!), mesmo tendo que fazer coisas que nao queremos, ou, deixarmos de faze-las... Acredito que para o amor nao há regras! É tao importante saber que somos importantes como fazer alguém sabe-lo!! (e isso nao importa se é um desses amores que vem fácil ou temos que nos descabelar por ele), o que vale é o sentimento e a liberdade de poder vive-lo!! Tem gente que perde oportunidades simplesmente pq nao reconhece uma quando a ve...

    Adorei demais!!!
    Bom comecinho de semana,
    super mega beijo!!!!!

    ResponderExcluir
  8. Depois de muita "surra" aprendi isso, Mari, e na vida real optei por um "amor fácil". Tudo muito difícil já nessa vida, nao dá pra sair dando uma de louca atrás de emocoes... emocoes do quê mesmo? Sexo, prazer sao prazeres temporários, já o amor verdadeiro, nao.
    Ótimo "fundamento", só pra variar ;)

    ResponderExcluir
  9. Nossa!! Seus textos sempre desvendando nossa alma. Concordo com vc. O amor tem que ser leve, sem cobranças e se não for correspondido não adinata ficar correndo atrás, é ilusão.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  10. Muito show...belas palavras..gostie!!>.Mais e muito grande.vlw

    ResponderExcluir
  11. Oi Mari...adorei o blog,ja estou seguindo tambem,muito legal.
    Parabens pelo texto,e tbm acho que nao devemos nos preocupar com o amor tbm...deixar acontecer e sempre a melhor pedida,muito bom!!!!
    Beijos e ate mais,boa noite

    ResponderExcluir

Marque presença! Ficarei feliz com seu comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...