26 de out de 2014

TROPEÇOS

(Illustration by Vipada Jakavanphituk)
                                                             
                                                
A garotinha que passava na calçada, de mãos dadas com o pai, tropeçou, repentinamente, sendo amparada por ele. Observei o chão e nada havia ali que pudesse provocar a queda de alguém.  Continuei a caminhar, alheia a todos, já que meus pensamentos estavam voltados para aquela cena. Não para ela, em si, mas para nossos tropeços durante a vida.

Quando ocorrem, olhamos para baixo, procuramos buracos nas calçadas invisíveis, possíveis empurrões, ventos inesperados e fortes ... para encontrar respostas que, certamente, estão dentro de nós. Na maioria das vezes, não há culpados no exterior. Tropeçamos em nós mesmos, em nossa falta de atenção, de confiança , de preparo. Tropeçamos em nossas altas expectativas, na desmedida ambição e, o pior, na crença de que somos credores de presentes da vida, assim como de muitas outras pessoas pelas quais já passamos e/ou com as quais convivemos.

Ao contrário do que os tolos afirmam, não se pode aceitar tudo que vem de graça, só pela falta de ônus, eis que podem contrariar nossos interesses e forma de pensar. E não se pode esperar que tudo nos chegue sem esforço, empenho, sacrifícios ... desejo de vencer (não a qualquer custo).

Observamos que o número de insatisfeitos supera, e muito, o daqueles que cultivam e plantam, mesmo sabendo que, se o tempo não ajudar, perderão todo o trabalho e não chegarão à esperada colheita. Supera o de otimistas, que acreditam em seus valores e tentam se aperfeiçoar, cada vez mais. Supera o dos que se sentem felizes, acordando, a cada dia, colorindo de esperança as novas horas que se anunciam, ainda que o tempo se apresente escuro, sem resquícios da presença do sol.

Insatisfeitos buscam culpados e não soluções. E ficam amargando uma dor criada e alimentada por eles, permitindo que cresça e se fortaleça, fazendo com que caminhem de cabeça baixa e nem percebam se é dia ou noite estrelada, porque já se esqueceram do significado natural da palavra beleza.

Tropeços são fundamentais para um andar firme e vigoroso. Não é preciso livro de autoajuda, de psicólogos e terapeutas, para se chegar a essa conclusão. Basta olhar a criança que engatinha, que cai, mas que tenta novamente, até correr, livre e sorridente, pela casa.


                                                  TROPEÇOS           

                                  
                              Nem  sempre existe um ombro
                            Para se pousar a cabeça
                               Em momentos de fragilidade.
                                   Nem sempre há mãos estendidas
                                    Para nos socorrer da maldade,
                                     Nos dar alento ou conhecimento.

                                  Nem sempre há ouvidos atentos
                              Ao que precisamos dizer,
                              A nos ajudar a esquecer
                              Mágoas, ofensas,
                             Dores que abraçam o ser

                            Nem sempre !

                                  E é por isso que nesses momentos,
                               Em que nos vemos no chão,
                              Precisamos tirar de dentro
                                O nosso próprio sustento,
                            Emocional


                                                            Marilene



30 comentários:

  1. Muito lindo e verdadeiro!
    Um beijo grande :) ♥

    ResponderExcluir
  2. Maravilha,Marilene! Temos desde pequenas vários tropeços e sempre conseguimos levantar. Umas vezes auxiliadas, outras, nos virando "nos trinta",rs...

    E assim seguindo, na certeza que muito temos ainda de tropeços nos esperando.Só no dia em que não mais "caminharmos" pela vida, deixaremos de fazê-lo! bjs, lindo domingo! chica

    ResponderExcluir
  3. Bela prosa e não menos bela poesia, Cara Marilene.

    Tema de muita reflexão esse. Realmente, a vida é feita também
    de tropeços dos quais se deverá retirar as devidas lições. Cair e levantar
    procurando aprender com os erros e não enveredar em lamentações
    vãs. É importante procurar dentro de nós a força necessária para
    enfrentar os desaires da vida.

    Um bom domingo para si.

    Bjs

    Olinda

    ResponderExcluir
  4. A vida é feita de tropeços. Gosto da sua escrita, Marilene, além da sua poesia. Muito lindo.
    Beijo*

    ResponderExcluir
  5. Maravilhoso!! Marilene.
    Um texto muito bem escrito,acompanhado de um lindo poema!!
    Temos que ter disposição para encarar as coisas pelo seu lado positivo e esperar sempre por um desfecho favorável, mesmo em situações muito difíceis.
    Beijinhos.

    ResponderExcluir
  6. Marilene,
    Os tropeços da vida nos ensinam a absorver experiências pra não tropeçar naquele lugar, daquela maneira ou com a mesma força... Nem sempre é possível assimilar tudo, e por vezes acabamos por tropeçar no mesmo lugar, da mesma maneira e com a mesma força.
    Temos às vezes mãos atentas pra evitar a queda e por outras vezes nos estatelamos no chão com "todo gás" e é nessa hora que olhamos pro lado e descobrimos que temos que levantar sozinhos, ou ficar alí chorando as mazelas.
    Texto e poema lindo! Afinal até nos tropeços há poesia!
    bjkas doces!

    ResponderExcluir
  7. Olá mana,

    É comum que pessoas despreparadas para a vida ou até mesmo fracas, não se ergam diante dos tropeços naturais da vida, ficando à espera de quem lhes dê a mão. Tais pessoas não assumem que podem ter contribuído para suas quedas e preferem buscar culpados. Na verdade, somos culpados pelo que cavamos ou pelos resultados de nossas escolhas equivocadas e assumi-las é demonstração de coragem. Tudo que chega de graça não tem valor. Valor possui o que conquistamos com o nosso próprio esforço. Quanto mais uma pessoa recebe da vida sem correr atrás, mais ela se acomoda e vive a esperar sempre mais, como se fosse obrigação do Universo lhe dar gratuitamente o que deseja. Felizes dos que lutam e buscam em si a força necessária para prosseguir e vencer, sem criar laços de dependência. Tropeçar...cair...levantar...é o lema dos fortes.
    Bela crônica, enriquecida por lindos e enriquecedores versos sobre o tema focado.

    Beijão.

    ResponderExcluir
  8. Oi Marilene! 0/
    O que seria da vida sem os tropeços e, até mesmo, as quedas? Desde hoje não teríamos aprendido a caminhar, estaríamos engatinhando literalmente, como tu muito bem lembrou na tua crônica sobre a criança que cai e levanta.
    Acho que todos nós alguma vez agimos como insatisfeitos, culpamos aos outros por algo que foi, pelo menos em parte, nossa culpa. O problema não é agir com insatisfação, o problema é permanecer nela e não reagir, se tornando uma pessoa insatisfeita.
    Adorei tua poesia. Embora esse "nem sempre" não exista para mim porque SEMPRE eu tenho um Deus que nunca me abandona.
    Beijos amiga e um ótimo domingo de eleição.

    ResponderExcluir
  9. Olá, querida Marilene
    Tropeçar e levantar é típico dos fortes de espírito...
    Bjm fraterno

    ResponderExcluir
  10. Marilene, vida sem tropeços não há. Eles acontecem, quando menos esperamos. O nosso mundo é assim, somos nós que temos de nos fortalecer a cada tropeço, fortalecer a nossa mente, todos os possíveis embates que a vida sempre nos prepara.
    Sou um apreciar nato dos teus espaços para dizer: não há coisa boas ou más, é a nós que as cabe fazer!
    O TOP SECRET OLAVO, também passa aí a Nova Lima, cidade periférica de Novo Horizonte. O livro pode ser liquidado em Reais, enviados em carta, dirigida a mim. Está já a acontecer assim.
    Mais por rever provas, andei sumido.
    Beijos

    ResponderExcluir
  11. É isso mesmo amiga Marilene, a vida é feita de tropeços e tal como a garotinha do seu reflectivo texto, se tivermos uma mão amiga que nos ajude a levantar, mais fácil será de novo caminhar.
    O importante mesmo é encará-los como acidentes de percurso, reflectir sobre eles e tentar não tropeçar no mesmo obstáculo.
    Adorei a sua poesia em conclusão.

    beijinho e boa semana


    ResponderExcluir
  12. Os tropeços são momentos de aprendizagem,autoconhecimento e superação.
    Muitas vezes necessitamos dessa solidão, para nos encaramos e contactamos
    com a nossa força de mudança. Os tropeços ficam assim, experiências
    preciosas construindo o amadurecimento.
    Belíssimo e destaco:
    "Em que nos vemos no chão,
    Precisamos tirar de dentro
    O nosso próprio sustento,
    Emocional."
    É muito precioso para mim as leituras que faço nos
    teus espaços de arte...
    Beijinho,querida Marilene.

    ResponderExcluir
  13. Antes de darmos o próximo passo, devemos olhar onde vamos por o pé para não tropeçar.
    Tinha saudades de ler a tua pagina bem elaborada.
    Bj

    ResponderExcluir
  14. Como as coisas que vemos e que parecem sem importância dá uma bela crônica, não Marilene? A criança não se esfacelou, tropeçou apenas. E não foi ao cão pela ajuda do pai. E você pegou o segredo da coisa.
    Assim somos todos nós, não precisamos nos esfacelar para seguir o passo. Muitas vezes temos a sorte da garotinha, antes de ir, ser amparada. Outras vezes ficamos esticadas na vida, lutando para levantar. E assim é a vida, caímos e levantamos. Acreditar em seguir o caminho é a grande jogada. Alguns fazem desse tombo uma escada para outros e vão enfraquecendo... Outros, heróis! Se superam.
    Vamos adiante!
    Como sempre, adoro suas crônicas.
    Beijo grande!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Desculpe... é:
      E não foi ao "chão" pela ajuda do pai.
      beijo!

      Excluir
  15. "As montanhas suavizam-se a voz do posso e derretem-se a voz do quero" Edward Purinton. Segundo ele, querer é poder, depende única e exclusivamente de uma pequena dose de sacrifício. Eu, particularmente, acredito que as coisas têm mais valor quando conseguidas com sacrifício, quando se luta por elas. A vida só é boa devido aos seus altos e baixos. Se não existisse o tropeço e a queda, a pessoa não aprenderia a levantar. Não ha nada mais gratificante do que encontrarmos a solução para um problema que a tanto tempo nos aflige. Bela crônica e lindo poema Marilene!

    Abraços,

    Furtado.

    ResponderExcluir
  16. Olá, Marilene
    Iniciar a semana com uma reflexão como esta prepara-nos para mais uma jornada.
    Aos tropeços passamos a vida, mas eles nos ajudam a crescer.
    Não podemos idealizar a vida sem eles; podemos é desejar que haja sempre um ombro para nos acolher, onde possamos encostar a cabeça e recobrar forças para... novos tropeços :)

    Boa semana, minha amiga.
    Um beijo
    Miguel

    ResponderExcluir
  17. Oi Marilene,
    Os tropeços dessa vida,
    nos fortalece e traz experiências.
    Ficar prostrado e se fazendo de vítima não resolve nada,
    então, o melhor é levantar e prosseguir...
    Bjs :)

    ResponderExcluir
  18. Assim é, Marilene! Tropeços, todos temos; a diferença é que, enquanto alguns se deixam ficar caídos, outros os aproveitam como impulso, para seguir em frente. Belo texto, boa semana!

    ResponderExcluir
  19. A vida é uma sucessão de tropeços. Algumas vezes conseguimos equilibrar-nos. Outras é queda na certa. O principal, é aprendermos a levantar-nos, uma ou mil vezes. E ter a certeza de que sempre aprendemos algo novo .
    Um abraço

    ResponderExcluir
  20. Você foi perfeita nesse textos, definição fantástica sobre tropeços. Uma mensagem bem refletiva.
    Os tropeços da vida são aprendizados porque fortalece, amadurece, nos ensina a seguir com mais coragem, com mais atenção, e com mais certeza na vitória. A vida seria bem monótona se não houvesse os tropeços da vida.
    Obrigada pela leitura! Excelente!
    Um beijo!

    ResponderExcluir
  21. aprender com as quedas, ainda que machuquem...

    belo poema. gostei deveras!

    beijo

    ResponderExcluir
  22. É com os tropeços que nós aprendemos e nos fortalecemos para não cairmos e crescemos espiritualmente.
    Um belo texto para refletirmos.
    Parabéns, Marilene!
    ZCH

    ResponderExcluir
  23. Os tropeços acabam sendo um aprendizado, Marilene. Excelente texto o seu, assim como o poema. E a grande questão é que algumas quedas são dolorosas demais. Bjsss

    ResponderExcluir
  24. Em parte delego esta incapacidade de muitos adultos em lidar com seus tropeços à forma pela qual foram protegidos na família. Os excessos de cuidados e proteção geram adultos inseguros, despreparados e assim o aprendizado para os altos e baixos do chão da vida torna-se mais lento, mais sofrido.Que a necessidade faz o sapo pular, isto é inconteste, mas que mães e pais super protetores podem dificultar passos futuros, ah, isto podem sim.
    Eu costumava dizer pros filhos e pros alunos:" quando não aprendemos por ouvir dizer, aprendemos pela mão da vida e às vezes ela é pesada."
    Preciosa reflexão, Mari.
    Bjkas e bom dia.
    Calu

    ResponderExcluir
  25. Olá, Marilene, como vai?
    Lindo seu texto. Também tenho esses lances, de capturar uma cena do cotidiano e meditar sobre ela. Quando somos mais imaturos achamos que um tropeço é o fim, que não superaremos a dor da queda. A maturidade nos faz perceber que é possível levantar e continuar a caminhada, com força e coragem. é duro quando estamos no chão... mas é primordial não se render para não cultivar uma vida de frustração e amargura. Um abraço!

    ResponderExcluir
  26. Para já gostei imenso do uso da palavra "Tropeços". É perfeita para a mensagem desenvolvida no teu belo e reflexivo texto. Já escrevi algo idêntico, há uns tempos (não sei se divulguei). Subscrevo tudo! O que acrescento? De certeza quase nada...A verdade é que tudo está dentro de nós e só nós nos podemos (re)erguer. Ainda que possamos ter alguma ajuda de alguém que nos quer muito, só quando o nosso eu se "cura" é que saímos do constrangimento...É que expulsamos os fantasmas...
    Em todo o caso a maturidade e o crescimento pessoal são de relevância capital. Gosto da palavra "apaziguamento" - é o que fui buscando nos últimos tempos!
    BJO, querida Marilene :)
    (Ah, gostei da forma como pegou na narrativa!)

    ResponderExcluir
  27. Sempre penso nestes tropeços que a vida nos dá ou que nós mesmas procuramos, as vezes sem preceber e que bom que temos aprendido muito com estes tropeços.
    Belíssimos texto e poesia.
    Um abraço cara amiga.

    ResponderExcluir
  28. Bom tema e bom poema!

    Apenas acrescento

    Só procurei na vida
    não repetir a mesma queda
    nem tropeçar duas vezes
    na mesma pedra

    ResponderExcluir

Marque presença! Ficarei feliz com seu comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...