18 de out de 2014

NO CENTRO DA ARENA


(imagem retirada internet)

                                                  

                                                 
Campanhas políticas sempre foram apelativas. Após  as eleições acabam sendo esclarecidas muitas das inverdades levantadas e que influenciaram os eleitores em suas decisões. Nessa reta final, estamos vendo dois candidatos em uma arena, como se um devesse "engolir" o outro, sem o risco de indigestão, para se sagrar vencedor. E nada disso desejávamos. O que esperávamos era saber o que pretendem eles realizar para a solução dos graves problemas que o Brasil enfrenta e ainda enfrentará nos próximos anos, em todas as esferas. Sabemos que mudanças são necessárias e que não será de um dia para outro que , se realmente implementadas, produzirão os efeitos almejados pelo povo. Limitam-se a ofensas pessoais, a reviver o passado dos partidos, a denegrir imagens, a procurar, no fundo do poço, águas sujas e impróprias para consumo, atribuindo a responsabilidade um ao outro, quando deveriam apresentar seus projetos para purificá-las. 

As grandes empresas, ao buscar um dirigente, procuram competência, empenho, conduta ilibada, facilidade de comunicação... e muitas outras características que possam levá-lo a proceder à sua colocação entre as mais rentáveis, olhando para cima e para baixo, eis que a valorização dos empregados é ponto fundamental nesse processo.

E o que é o país senão uma delas, se, simploriamente, o compararmos aos demais? Precisa crescer, sem desprezar as fundamentais necessidades da população. E, para isso, há que ter um presidente dotado, não só de capacidade e honradez, mas de sabedoria. Um conhecedor dos universos exteriores , adequadamente assessorado, e atento ao que acontece dentro de sua própria casa.

Ficamos nós ansiosos por saber se os candidatos apresentam essas qualidades, mas os vemos quase que a esbofetear um ao outro, mesmo sabendo que inúmeros são os eleitores que os estão a ver e ouvir. Estão criando rivalidades entre estados, quando deveriam lutar pela união de todos. Estão correndo atrás de votos como se o bolo tivesse sido cortado e a fome os compelisse comer os pedaços com urgência. E, nessa caminhada, vão passando sobre todos, sem qualquer preocupação com a lama que deixam pelo caminho, e onde ficamos com os pés presos, receando afundar em areia movediça.

O pior é que a falta de respeito está do lado de lá e do lado de cá. Eleitores que mostram, nas redes sociais, suas preferências, são hostilizados pelos que não partilham o mesmo entendimento. Há ofensas, as mesmas que vemos do lado de lá, ao assistirmos aos debates. Chegamos ao ponto do próprio Tribunal Superior Eleitoral se sentir obrigado a intervir, já que o baixo nível da competição está extrapolando os limites de aceitabilidade, reconhecidos pela justiça.

Creio que, em debates, colocar um candidato frente ao outro, para perguntas e respostas, não produzirá qualquer efeito positivo. As perguntas não são respondidas e cada um fala o que deseja, independente do tema. E procuram deixar, em suas considerações finais, colocações ofensivas, palavras soltas que muitos acolhem sem atentar para o que é verdade e o que é repetição para convencimento de incautos.

Eu os assisto, além de ler o que é publicado, seja por especialistas, seja por eleitores, independente de já ter meu voto definido. E por todo lado há sujeira e acusações. Gostaria que, nos debates, jornalistas, economistas, advogados... profissionais competentes e isentos, formulassem as perguntas. Aquelas que nos trariam as informações que buscamos. E mais, que os candidatos não pudessem fugir delas , mudando de assunto. 

Utopia?

                                                       Marilene



40 comentários:

  1. Pois, amiga!
    Aqui é tal e qual.
    Eu já não assisto a debates políticos.
    Não estou para enojar-me e perder tempo!

    Saudações poéticas!

    ResponderExcluir
  2. Marilene, bondade sua não querer guerra, briga, ironia, sujeira, acusações... mas nessa bondade também vejo ingenuidade...
    sem falar da competição,
    já formulei, deste lado do Oceano,
    a minha opinião
    e ela tem a ver com esta realidade
    no que não for certa,
    desminta
    minha porta está aberta

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rogério, li a publicação que mencionou. Aliás, em minha postagem, nem entrei no mérito e preferi não tecer comentários sobre os "equívocos" dos dois partidos, limitando-me a mostrar indignação com a propaganda eleitoral. Não creio ser ingenuidade desejar uma campanha que, ao menos, fique dentro dos limites da dignidade. Sonhar é possível. Abraço.

      Excluir
  3. Marilene. eu já tenho a minha decisão e posso dizer que nenhum desses candidatos, desde o 1º turno me convenceram.

    Sei bem que são farinha do meeeeeeeesmo saco!!!

    Todos tem sujeiradas e mais sujeiradas e não suporto mais! Nem mais assisto,!

    Estou bem convencida sobre o que vou fazer!! E fico chocada ao ver pessoas amigas discutindo, desfazendo amizades por causa deles que não valem nem ter seus nomes sequer mencionados!

    Estou estourando o saco do Brasil e dessa ladroeira toda daqui!

    Cada um quer apenas arrumar o SEU bolso. O povo irá continuar a se ralar! Infelizmente é assim que vejo! bjs, tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  4. Amiga...
    Eu já nem tenho habito de falar sobre polica
    já vi gente se quebrando por alguém que entra e sai sem conhecer
    os palhaços que brigam na rua por um bendito candidato.
    Enfim amiga.
    Sua postagem foi excelente boa de se ler e tomar tento também.
    Um Domingo abençoado.
    Evanir.

    ResponderExcluir
  5. Oi Marilene, que seria de nós se não houvesse utopia...Continuemos a querê-la, pois acho que ainda teremos saída...
    Adorei vir te conhecer.
    Abraço carinhoso e bom domingo.
    Apareça.

    ResponderExcluir
  6. Oi Mari, eu tb penso como você e sempre digo a meu marido que os candidatos não vão a debates falar de sua campanha. Não vão falar de seus projetos para melhorar a situação do país,. Vemos ali ataques e acusações... que coisa feia e sem propósito. O povo anda muito insatisfeito e não sei não se a coisa melhora , viu amiga?
    Beijo grande!
    Excelente crônica

    ResponderExcluir
  7. Bom dia, Os debates políticos pouco trazem para esclarecer, muitas das vezes tentam transmitir as pretensões que eles sabem que que o povo gosta de ouvir, assim como sabem que o poder capitalista não vai autorizar a execução das mesmas, na minha opinião para analisar o candidato é necessário saber que medidas sociais já tomou no seu passado, que propostas foram feitas no parlamento a favor da educação, justiça, ambiente, habitação e contra a desigualdade, o voto é uma arma que tem ser levado em consideração antes de o dar, eu não voto num partido (candidato) onde os exploradores do povo (capitalistas) votam, os meus interesses não os deles e vice versa.
    AG
    http://momentosagomes-ag.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  8. Bom dia amiga. Querer paz, educação e esclarecimentos verdadeiros em campanhas políticas eu creio que sim, é Utopia.
    Um abraço e que o povo escolha o melhor.

    ResponderExcluir
  9. Nada há a acrescentar ao que Você escreve, Marilene. É, afinal, a palavra do bom senso - tão desconhecido hoje. É lamentável - e profundamente lamentável - que o oportunismo prevaleça quando acarinha os mais necessitados para, servindo-se de sua condição, tirar-lhes o voto ingênuo. Parabéns! Abraço grande.

    ResponderExcluir
  10. Olá Marilene,
    Creio que você retratou muito bem o "cenário" desse atual processo eleitoral! Também penso como você!
    Sabe, apesar de já ter o meu voto definido, leio tudo sobre o assunto, vejo os debates e etc, para poder tentar me informar, mas de fato é um mero engodo. Essas acusações baixas de ambos os lados, em que pouco falam de propostas, me enjoa.

    Grande abraço
    Flávio Ribeiro

    ResponderExcluir
  11. Querida Marilene, não assisti aos debates para o primeiro turno, que dirá agora para o segundo.
    Infelizmente estou, cada vez mais, descrente de um bom governo para o nosso tão "amado" Brasil.
    Quem dera nossas perguntas, de simples mortais, fossem respondidas.
    Ficamos a desejar.
    Beijos com carinho.
    Linda semana pra você.

    ResponderExcluir
  12. Olá mana,

    Perfeita a sua crônica. Assino em baixo.
    Estamos na pior campanha eleitoral dos últimos tempos. Descabido, sem dúvida, o baixo nível da campanha, seja nos debates, sejas nas propagandas ou nos discursos do horário político. Certo seria cada candidato defender sua plataforma e não espalhar no ar eventuais deslizes do oponente. Afinal, sabemos que não há 'santo' no meio político. Ética é fundamental.
    Também não vejo porque 'guerra política' entre os eleitores. Cada um que escolha seu candidato dentro de sua convicção e respeite a posição do próximo. O resultado será visto depois, quando o eleito estiver governando o país.

    Beijão.

    ResponderExcluir
  13. Oi Marilene,
    Está muito complicado...
    Esse confronto que há entre os candidatos,
    é horrível, eles acabam depondo contra eles mesmos...
    Também já defini meu voto, embora
    conheço ótimas razões
    pra não votar em nenhum dos dois.
    Gostei do seu excelente e coerente texto.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  14. Amiga Marilene:
    Os debates políticos servem para tudo menos para esclarecer o eleitor, por cá é o mesmo.
    Cada vez mais me afasto da política, mas infelizmente é ela que comanda as nossas vidas.
    Sonhar com justiça, igualdade e respeito não é uma utopia é um direito, pelo menos este não nos podem tirar.

    beijinho



    ResponderExcluir
  15. Marilene,

    Aqui, em Portugal é o mesmo. Eles, apenas, disputam o poder que é o que lhes interessa. Nunca falam dos planos de governação porque não os têm. Nunca muda...

    Mas não podemos deixar de lutar por justiça e fraternidade entre os povos combatendo a exploração humana, e a corrupção, infelizmente, tão presente no mundo, naqueles que nós elegemos para nos servir e acabam para nos explorar.

    Parabéns pelo seu muito importante artigo.
    ZCH

    ResponderExcluir
  16. Tienes razon, van al debate a acusarse y pelear, cuando deberian hablar de sus ofertas.

    ResponderExcluir
  17. Perfeita a tua postagem, com focos bem definidos, análise clara e objetiva, e situações bem colocadas dentro deste atual cenário onde se digladiam os responsáveis por aquilo que deveria ser uma campanha honesta, limpa, apenas com exposição dos projetos de cada um. Mas quando se sabe que a cada um são enviados os temas que serão discutidos no debate (alguns aventam a hipótese de que até as perguntas que serão feitas) a tendência é acreditar que a preocupação maior é apontar a sujeira um do outro, sem nenhum respeito aos ouvintes que querem um debate onde a honestidade, a clareza de ideias e a apresentação dos projetos seja a tônica. Infelizmente a gente se dá ao trabalho de ir às urnas sem aquele entusiasmo que deveria caracterizar um ato tão importante quanto votar, pois entre os candidatos apresentados temos que escolher o menos pior, infelizmente.
    Amiga, a tua foi a abordagem mais expressiva que encontrei pela blogosfera para caracterizar o momento que o país está vivendo. Parabéns, e minha admiração!
    Sorrisos e estrelas, com carinho,
    Helena
    (http://helena.blogs.sapo.pt)

    ResponderExcluir
  18. Oi Marilene!
    Nossa amiga, muito pertinente teu post justamente agora que acabei de ver o debate dos presidenciáveis na Record.
    Caramba! Eu falei para minha mana, um está falando em universidades e o outro baixa para as creches e de repente começa a tal arena, não há outra palavra mesmo que descreva melhor.
    Boas propostas? Cadê?
    Confesso que saí até meio atordoada desse debate.
    E eu fico besta de ver como tem gente besta que briga por conta de candidatos, desfazem até amizades! Gente... todos querem só uma coisa: PODER!
    E também as pessoas esquecem que não é o presidente que decide tudo.
    As pessoas deviam se informar melhor sobre política para ter mais consciência de voto, embora a escolha fique sempre entre o "menos pior", né?
    Acho que nós duas vamos ficar aqui utópicas, porque o teu desejo é o mesmo que o meu.
    Ah, achei mara saber que tu e a Vera são irmãs! :)
    Beijos querida e uma semana fantástica para ti.

    ResponderExcluir
  19. Utopia é acharmos que com os candidatos que temos, alguma coisa pode mudar nesse país... estamos a deriva...

    Beijos querida...

    ResponderExcluir
  20. Eu, que trabalho com marketing político, sinto bem de perto tudo que aqui dizes, Marilene. E procuro dar a minha contribuição, escolhendo os melhores candidatos para apoiar... e votar. O pior é que a maioria não pensa assim, né? Infelizmente! Lúcido e interessante post, boa semana.

    ResponderExcluir
  21. Exatamente minha amiga. Eu acredito que deveria ser proibido essa falta de respeito entre os candidatos. Eles gastam os tempos dos debates com mais picuinha do que apresentação de projetos e etc. Eu fico a ver navios assistindo algo que no final das contas não me leva á nada. Irritante esse tempo de eleições.
    Beijos,
    Monólogo de Julieta

    ResponderExcluir
  22. Marilene, estou assistindo a todos os debates, inclusive assisti para Senador. Tudo igual, só muda os traços físicos. O nível é o mesmo, lá na lama. Do lado de cá, quase enfarto com tanta mentira e tanto malabarismo em busca de voto, vale tudo. É muito descaramento. Minha vontade é anular meu voto, a indignação é demais com tanto oportunismo. A gente passa uma vida educando nossos filhos dentro de uma moral pra ver, no nosso nariz, gente graúda dando o exemplo de como se rouba e de como não se deveria governar. E ficam todos passeando por aí...soltos. Li alguns comentários, inclusive o da Mi e digo: eu não defendo mais porcaria nenhuma.

    Beijão, amiga!
    rss (fiquei braba só em escrever...)

    ResponderExcluir
  23. Pois é , Mari, estamos assistindo atônitos a este circo de descalabros e baixarias sem fim.Uma tragicomédia lamentável tendo como pano de fundo os destinos da nação, nossa pobre e vilipendiada nação.É tamanha sanha de poder que nenhum dos candidatos se incomoda mais em disfarçar suas reais intenções...o ganho em todas esferas. Isso está em plena putrefação, sic!!!

    Bjinhus, amiga,
    Calu

    ResponderExcluir
  24. Você foi muito clara em seu texto, seria tão bom se todos os eleitores tivessem acesso a ele.
    Grande abraço amiga e que o novo governo não seja uma utopia.

    ResponderExcluir
  25. Marilene, a política brasileira da maneira como tem se apresentado, e não é de hoje, não produzirá nenhum efeito real de mudança da realidade brasileira. Os políticos não beneficiam a política em favor do povo, mas se beneficiam dela em favorecimento próprio. Confesso que cada vez é maior a minha desilusão em relação a política em nosso país.

    ResponderExcluir
  26. A "Sociedade do Espectáculo" capturou a Democracia...

    excelente texto

    ResponderExcluir
  27. Oi Marilene
    Você tem toda a razão, pois além de presenciarmos uma verdadeira baixaria, nos da uma certeza que nós brasileiros só temos políticos sem vergonhas, afinal cada um que aparece pra se candidatar coloca o podre do outro e parece que a plataforma política deles é dizer que um ou outro rouba
    Cabe a nós sabermos qual o que rouba menos rsrs
    Infelizmente é essa nossa política e esses são os nossos políticos

    Bjks

    My

    http://eratresumavez.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  28. Eles nao respondem o que queremos saber, pois estão preocupados em vencer e nao nos problemas que assola o pais.
    Cada vez que eu assisto eu me enojo daquela baixaria.
    Briga de grandes ou de cobras? Eu ja nem sei...

    Beijos.

    ResponderExcluir
  29. Gostei muito Marilene
    e concordo com tudo que escreves _ se as perguntas fossem só formuladas pelos jornalistas o proveito seria muito melhor _penso que o que dá ibope é o confrontamento que causa essa enxurrada de ofensas dois lados.
    Lamentável! felizmente estamos prestes a nos ver livre disso, já do resultado só Deus dirá...
    _ e que Ele nos ajude fazendo vencer o 'menos ruim'
    um abraço

    ResponderExcluir
  30. Não, não é utopia, Marilene. É decência, o que se deseja de quem nos vai governar.
    Gostei muito, querida.
    Beijo e boa noite,
    Renata

    ResponderExcluir
  31. Estou muito feliz em poder
    passar no seu blog hoje depois
    desse afastamento ..
    Saudades..muitas me perdoe não
    comentar sua magnifica postagem,
    porém li e estou levando no meu coração...
    Acredite você é muito importante
    na minha vida.
    Desejo um abençoado final de semana.
    Beijos no coração.
    Evanir.
    Amiga é importante demais seu texto
    gosto de uma orientação como a sua ajuda em decidir em quem votar
    na verdade esta difícil.

    ResponderExcluir
  32. Realmente lamentável o que ocorre nesses debates. Penas confronto, ofensas, acusações. Concentram-se nisso e esquecem do principal: soluçoes. E o desrespeito continua a rolar tb entre eleitores que "copiam" o modelo de seus candidatos. Queremos decência , sim! Respeito, Concordo com tudo que escreveste. Muito boa sus denúncia. Bjs. Fk com Deus.

    ResponderExcluir
  33. Parece ser mal geral, querida Marilene. Só depois de um ou ou dois anos de governação, é que começamos a descobrir que, afinal, as promessas, não passaram disso mesmo. Contudo, o voto é um poder do qual nunca devemos prescindir...
    Que ganhe o/a candidato/a que governe a favor das pessoas e não a favor de poderes/interesses/ instalados. Na política nunca há inocentes, disso tenho a certeza!
    Meu bjo, querida :)

    ResponderExcluir
  34. Oi amiga , gostei muito deste texto, que bom seria muitos mais sabendo dele.Parabéns ,uma delícia ler teu blog.
    Bom final de semana e boas eleições.
    Abraço

    ResponderExcluir
  35. Oi, Marilene!
    Lendo sobre o seu desejo no último parágrafo "Gostaria que, nos debates, jornalistas, economistas, advogados... profissionais competentes e isentos, formulassem as perguntas. Aquelas que nos trariam as informações que buscamos. E mais, que os candidatos não pudessem fugir delas , mudando de assunto.". Lembrei que no debate de hoje à noite na tv Globo, a Dilma proibiu perguntas de jornalista e por isso o TSE chamou pessoas indecisas para serem sorteadas para fazer perguntas: "Dúvidas do eleitorado".
    Acho que essa baixaria toda aconteceu em função das provocativas que um dos partidos fazem, até mesmo nas redes sociais, onde militantes vão à caça de qualquer um que faça comentários que eles não gostam. Eu mesma fui vítima da corja.
    Eu acredito na mesma utopia em que acredita, mas se continuar como está, a tendência é irmos para o fundo do poço.
    Que Deus abençõe o povo brasileiro!!
    Beijus,

    ResponderExcluir
  36. Olá Marilene! Belo, bem coordenado, verdadeiro e bastante aportuno o teu texto. Após a leitura dos comentários acima, resta-me dizer que, com 72 anos, sou um privilegiado, sou um brasileiro liberto da obrigatoriedade do voto, sou um cidadão livre de futuras acusações por ter ajudado corruptos a chegarem ao poder e governarem em benefício próprio, esquecendo e massacrando àqueles que os elegeram. Peço a DEUS que ajude ao menos ruim.

    Abraços e um ótimo final de semana para ti e para os teus.

    Furtado.

    ResponderExcluir
  37. Marilene, o nível dessas eleições foi deplorável e asqueroso. Os debates, então, foram igualmente imundos. Hj foi ao ar o último na Globo. O pior é que todo esse culto ao ódio irá prosseguir mesmo depois das eleições. A apelação que fizeram contra a Marina foi um nojo. E propostas mesmo não têm. Esse terrorismo do fim do bolsa família e pobres X Ricos são asquerosos. Enfim... Excelente texto. bjs

    ResponderExcluir
  38. Olá, Marilene, como vai?
    Se eu escrevesse um texto sobre esse tema certamente minhas ideias iriam chegar muito perto das suas. Independente dos candidatos não há como gostar dessas degladiações. É delicado, porque se um lado ataca, a não defesa do outro lado pode parecer conivência, e aí é que começa o problema, na minha opinião. Penso que esse tipo de campanha só irá acabar quando o povo brasileiro for politizado o suficiente para ir em busca da verdade por si só e não se deixar influenciar por ataques. Ótimo texto, um abraço!

    ResponderExcluir
  39. Parece que aí como cá, as campanhas políticas estão sempre mais focadas nos "podres" que podem ser descobertos para atacar o adversário do que em propostas concretas que cada candidato possa apresentar ao país. Propostos que não passam também elas muitas vezes de promessas vagas.
    Os candidatos aos altos cargos da nação deveriam ser os primeiros a dar o exemplo de civilidade e comprometimento público, no entanto acabam por enredar-se numa série de golpes abaixo da linha de cintura.
    Em Portugal todo este comportamento tem gerado um afastamento dos eleitores das urnas, algo que decerto apenas não acontece no Brasil devido ao facto de o voto ser obrigatório, e aqui não o é.( Li o comentário do Furtado, e não sabia que a partir de uma determinada idade o voto deixava de ser obrigatório).
    Uma excelente análise a umas eleições brasileiras, também muito comentadas por aqui, sempre marcadas por alguns escândalos de corrupção, e ataques pessoais.
    Sempre muito bem escrito, com ideias muito claras, e com as quais concordo em absoluto.
    Queria agradecer-te pela tua atenção para comigo, mesmo durante a minha breve ausência da blogosfera.
    Muito obrigada pela tua presença inteligente e carinhosa no meu blog.
    Bom fim de semana, e vota bem! :-))
    xx

    ResponderExcluir

Marque presença! Ficarei feliz com seu comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...