9 de abr de 2014

TARDE DE DOMINGO

Praça da Liberdade - arquivo pessoal
                                                

                                                                 
Passeando pela Praça da liberdade, onde fui em busca de algo interessante para fotografar, observei a presença de muitos casais, de todas as idades, aproveitando a tarde de sol, clara e convidativa, que habitou o último domingo. Nos gramados, os mais jovens trocavam carícias, enquanto os mais maduros, provavelmente com anos de vida em comum, conversavam e descansavam nos bancos. Outros havia, ainda, que brincavam com filhos pequenos ou mantinham vigilância sobre suas estripulias, eis que corriam, tentavam pegar os pássaros ou se moviam sem muito equilíbrio em bicicletas.

Os sons que mais se destacavam eram os de risadas e os de revoada dos pássaros, mudando de uma árvore para outra.  Havia magia nessa observação, que não cansava meu olhar.  Notei a presença de militares, atentos, pois nem em lugares assim, de descanso e recreação, as pessoas ficam isentas da ação de delinquentes, que esperam um breve momento de distração para praticar furtos.

Eu me detive em uma obra de Niemeyer, que costumo ver ao passar de carro, sem possibilidade de maior atenção, salvo quando a vejo em alguma reportagem. Possui curvas sinuosas, belíssimas. O grande arquiteto teria se inspirado nas montanhas mineiras, ao elaborar o projeto. Temos a impressão, ao olhá-lo, que possui muitos andares, o que não corresponde à verdade  (ilusionismo).

                                                        
Edifício Niemeyer - arquivo pessoal


É estranho ser turista na cidade onde moramos (rss). Há dez anos estou em Belo Horizonte e ainda  não tinha visitado a Praça da Liberdade. Aliás, há muitos outros espaços aqui, dignos de nota, que me são desconhecidos. Nos últimos tempos, meu foco foi bastante alterado. Passei a olhar tudo de forma diferente e percebo que coloco o coração nesse novo observar. Há poesia em abraços, em gestos, no simples caminhar. Não interessam as roupas, os cabelos, mas o comportamento. Os que corriam ao redor da praça estavam tão envolvidos em sua atividade que, certamente, nem notaram minha presença.  Da mesma forma, os que namoravam, os que brincavam, a própria natureza. Mas meus horizontes se tornaram infinitos naquele lugar, que me mostrava muitas coisas que eu não cansava de olhar. A água das fontes, o verde do gramado, pessoas que se comunicavam em outro idioma, os que se exercitavam, a tranquilidade não usual do trânsito, o céu, os edifícios que fazem parte do "Circuito Praça da Liberdade"... , tudo com seu peculiar encantamento.

Dei asas à imaginação e me distanciei, por algumas horas, de uma parte da realidade, eis que lá tudo também era real, mas coberto por uma aura de sonho, que eu mesma coloquei sobre cada cabeça, cada banco, cada detalhe. Vi na praça um espetáculo único, merecedor de uma tela colorida, falante, musical. E a arquivei na memória, trazendo-a para casa.


                                                                 Marilene



21 comentários:

  1. Linda tarde de domingo tão bem mostrada e cronicalizada! bjs, chica

    ResponderExcluir
  2. Bom dia, Marilene. Que bacana! Nós aqui também temos uma Praça da Liberdade - apelido dado á Praça Ruy Barbosa, e que pegou tanto, que ninguém mais sabe aonde fica a Ruy Barbosa. Lindas fotos... também gosto de sentar-me e observar as pessoas.

    ResponderExcluir
  3. Muito convidativa, essa Praça da Liberdade!, procurada pelos casais para momentos de serenidade, e brincadeira para as crianças.
    Gostei do edifício do Niemeyer. Curioso que ele se tenha inspirado para a elaboração desse edifício nas montanhas de Minas, porque a mim o edifício imponente remeteu-me para as ondas do mar...:-) Um edifício imenso que realmente parece ser enorme!
    É verdade, Marilene, às vezes até nos esquecemos de olhar com olhos de ver a cidade onde vivemos. É a pressa do dia adia, e acontece um pouco com toda a gente.
    Gostei da descrição que fizeste dessa maravilhosa praça e das sensações que essa observação te provocou. O local indicado para esquecer o ruído e vertigem da "outra" cidade e apreciar o encontro com a natureza.
    Belíssimas fotos! És uma fotógrafa de "olho cheio" e muita sensibilidade!
    E fiquei a conhecer um canto bonito da tua cidade!..:-)
    xx

    ResponderExcluir
  4. Boa tarde,
    Quase em todas cidades existe a praça da liberdade, algumas praças não fazem jus à liberdade vivida no presente.
    Abraço
    ag

    ResponderExcluir
  5. Marilene
    O teu poder de observação é digno de nota. Acho conveniente registar que isso me leva a considerar-te uma boa cronista de costumes. Mesmo conhecendo um pouco da obra arquitetónica de Niemeyer, fiquei siderado.
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Gosto deste tipo de relatos: afinal um quotidiano que é vida e que se torna diferente só porque o olhamos com uma visão mais apurada, mais poética.
    Depois, o facto de descobrirmos locais que habitamos há algum tempo e que apenas conhecemos de passagem, fez-me ocorrer a célebre frase, de que não me ocorre o nome, assim como não tenho a certeza se é tal qual assim "Queres conhecer o mundo e nem a tua rua conheces". Partamos pois à descoberta do que está próximo de nós...
    (Também gosto de escrever "crónicas"...)
    Bjo, Marilene :)

    ResponderExcluir
  7. Oi Marilene,
    Adorável, seu texto descritivo e tão delicado.
    Que espetacular a Praça da Liberdade!
    E o edifício Niemeyer parece gigantesco, é incrível ele ter apenas 8 andares.
    Também me sinto turista onde moro, mesmo vivendo aqui desde criança.
    Tem bairros e lugares interessantes que eu não conheço e quando passo por eles fico atenta e deslumbrada!
    bjs \o/

    ResponderExcluir
  8. Fantástico Mari! Seu passeio foi meio que um observatório ao ar livre... Coisa boa isso amiga.
    A vida na atual conjuntura exige demais de nós, pobres seres humanos que não lembramos de contemplar o que está ao redor.

    Esse prédio dá exatamente essa sensação... De ser mais alto do que é, genial!
    Eu amo suas crônicas "observatórias" - você as escreve com tanto amor e coração que nos leva junto, sabia?

    beijão minha querida e culta amiga

    Lu C.

    ResponderExcluir
  9. Amiga Marilene, a gente nasce, cresce e não conhece todos os recantos aprazíveis da nossa cidade. Um abração. Tenhas uma linda noite.

    ResponderExcluir
  10. Que delícia te ler!!!
    Ah Marilene, olhei com você, senti com você, respirei com você...enfim amei por demais da conta!
    Essa obra de Niemeyer, menina como nos passa mesmo a impressão de mais andares, lindeza!

    Meu carinho e um abraço!

    ResponderExcluir
  11. Marilene, já constatei que na medida em que vamos amadurecendo, nosso olhar interpreta as pessoas e paisagens de uma maneira completamente diferente. Prefiro assim, essa visão de agora, mais madura, esmiuçando coisas que antes nos passavam despercebidas e talvez com menos valor. Esse é o interessante do nosso cotidiano. Louvor para a arquitetura de Niemeyer, lindo!

    Beijão.

    ResponderExcluir
  12. Com toda a certeza que deves ter uma vida linda cheia de pequenas felicidades!! Eu hoje fui aquecer a minha sopa para comer ao almoço e queimei um dedo,dado que hoje estou com uma certa dificuldade em fazer as coisas de que mais gosto. Desejo-te um excelente fim-de-semana!! Beijinhos fofinhos!! mundomusicaldacarolina.blogspot.pt

    ResponderExcluir
  13. Passeei por cada detalhe desta verdejante praça e através de teu olhar delicado e atento vi os casais, os esportistas, os fachos de sol , as brumas de sombras refletindo as curvas do belo edifício.Uma iluminada tarde de domingo.Me convide mais vezes, viu Mari!
    Belo resto de semana pra vc.
    Bjos,
    Calu

    ResponderExcluir
  14. Marilene,
    lindo e muito visual teu texto.
    É verdade... por vezes não conhecemos muito bem a cidade em que moramos... ou tudo nos passa despercebido. E o mesmo pode acontecer com quem sempre temos contato diariamente, e que podemos não estar dando a devida atenção, e banalizarmos a companhia.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  15. impressiva tela - "pintada" por dedos ágeis!
    talentosa escrita

    beijo

    ResponderExcluir
  16. Oi mana,

    Adorei te ler nessa deliciosa crônica.
    Nunca imaginaria que essa obra de Niemeyer possui apenas oito andares. Incrível!

    Beijo.

    ResponderExcluir
  17. Pela sua deliciosa descrição, Marilene, deve ter sido um passeio agradabilíssimo. E ser turista da própria cidade eu sei bem como é pq tem muito lugar do RJ que eu nunca fui. rs Adorei o texto. bjsssss

    ResponderExcluir
  18. Cada dia tem o seu segredo: delicioso, mágico.
    é isso que nos estimula a sonhar
    e a depositar nossas esperanças no amanhã,
    sabendo que, o hoje é uma fonte .
    Acredite no Tempo, na Amizade,
    na Sabedoria, e principalmente no Amor.
    Que Deus abençoe seu Domingo.
    Beijos no coração afagos na alma.
    Evanir.
    Amiga saudades do Rio.

    ResponderExcluir
  19. MARILENE,

    sou seu mais novo seguidor.

    Esta realidade que você expôs na sua postagem é verdadeiramente dramática. Essa ser "... estranho ser turista na cidade onde moramos".

    Sou carioca, aqui nasci e sabe quantas vezes fui ao Pão de açúcar? Uma vez, isso , mesmo!

    Ao Cristo Redentor, mais vezes, não superior a duas ou três,enfim...

    E tenho amigos e amigas que NUNCA foram!

    Acredite, no entanto que, conheço TODAS as cidades históricas e estâncias hidrominerais da sua terra! (rs)

    Gosto muito de sua cidade,vou muito a beagá e sempre o mesmo povo encantador e ao ver a Praça da Liberdade, senti saudade de grandes e excelentes recordações.

    Ficaria honrado se quisesse conhecer meus blogues e agora estarei sempre, por aqui.

    Um abração carioca

    ResponderExcluir
  20. Olá Marilene. Seu blog é um dos poucos que se tornaram meus favoritos. Eu amo o modo como você escreve, tão cheia de esplendor e luz...é magnífico. Por muitos momentos passamos na vida sem observar ou ver a beleza nas singelas questões, não é mesmo. Ser observador é algo muito rico e para poucos...muito bom conhecer um pouco mais de BH através dos seus olhos.
    Bloody Kisses
    Monólogo de Julieta

    ResponderExcluir
  21. Dá para imagianr cada cena que você Marilene, descreveu com alma e dá até para sentir a emoção que você sentia a cada observação que seu coração e olhos faziam deste lindo lugar, "Praça da Liberdade", que lhe fez livre por instantes para sentir e transbordar este "papel" com sua emoção.
    Muito lhe agadeço por compartilhar tão lindo momento, bjs no coração.

    ResponderExcluir

Marque presença! Ficarei feliz com seu comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...