4 de abr de 2013

MÁQUINA DO TEMPO

(Chiara Fersini )

                                                        

Revisitei a minha juventude. Não houve intuito de desenterrar lembranças ou alimentar saudade. Tem-se, hoje, que as havidas mudanças comportamentais não são saudáveis e que, em outros tempos, a vida fluía com mais dignidade. Não foi o que vi, considerando-se o todo. As relações entre homens e mulheres privilegiavam, exageradamente, os rapazes, a quem tudo era permitido. As moças deveriam seguir rígidas regras para não se tornarem "faladas", mal vistas na sociedade. A virgindade era condição indispensável para que chegassem ao casamento. E muitas vezes descobriam, depois dele, que o conto de fadas alimentado nada tinha a ver com essa opção de vida, à qual se sujeitavam por falta de perspectivas profissionais e independência financeira. Os ideais eram camuflados e poucas se insurgiam contra as ditas regras, vivendo como desejavam e arcando com as consequências desagradáveis de seus atos.

A liberdade do mundo moderno, não obstante exclua momentos de sonhos e poesia, coloca mais verdade nos relacionamentos. Ainda que o "ficar" me cause estranheza, o namoro acontece quando, de fato, é desejado. O relacionamento íntimo não é condenado e evita se dê continuidade ao que não é satisfatório para ambos. A opção de vida em comum é mais demorada e mais consciente. As mulheres também escolhem e têm condições de se sustentar, sem ficarem atreladas ao casamento pela dependência. Óbvio que não se pode generalizar, eis que essa condição não chegou a todas. Mas cabe a elas mudar suas perspectivas e dar os passos necessários para isso.

Há mais autenticidade, hoje. Pode-se falar sobre tudo, sem policiamento. Pais e filhos se comportam de forma mais aberta. Os perigos são anunciados e demonstrados, mas a imposição de vontade perdeu seu lugar. Com todos os desafios que a modernidade trouxe, vieram conquistas inegáveis. E as opções equivocadas não são fundadas no desconhecimento e nas proibições, como antigamente. Sempre haverá necessidade de polimento, mas o material bruto não está escondido, o que facilita sua identificação.

                                                                    Marilene

24 comentários:

  1. Você escreve muito bem, Marilene. A vida sem dúvida é melhor que que era antigamente, mas também é pior em outras situações. E nem acho que se tenha tanta autenticidade assim, pelo contrário, acho que nesse aspecto muita coisa não mudou.

    Mas é fato que os relacionamentos estejam com mais verdade. A prova é a quantidade de separações ou de 'ficadas'. Antigamente ficar junto até o fim da vida fazia parecer que tudo estava bem, mas era justamente o contrário. Com exceções, claro. Enfim, muito bom o texto. bj

    ResponderExcluir
  2. Olá, querida!
    Já não sei se antigamente era melhor, ou se está hoje.
    Sei que as coisas mudam, evoluem... umas pra melhor outras pra pior.
    Parabéns pelo texto.
    Beijos,
    Lis

    ResponderExcluir
  3. Olá, Marilene. Não conhecia este teu cantinho. Mas agora já sigo. Vivemos épocas bem parecidas. No 'meu tempo' (ah, expressão triste) também era mais ou menos assim. Marilene, você me perguntou se ainda compartilho postagens? Sim, todas elas, praticamente... mas às vezes, dá algum problema nos blogs que eu não sei resolver, e até a minha lista de leituras 'some.' Às vezes, passa um tempão sem que eu receba uma visita, e noutras, recebo uma porção de uma vez só. Não sei o que há... será algum vírus que puseram lá? Também não sei... mas tô na área, sim. Abraços!

    ResponderExcluir
  4. Mari, devo primeiramente parabenizar-te pela crônica inteligente e muito consciente para descrever os dias atuais.

    Quando eu era mais jovem, as situações e pessoas se atrelavam mais ao valores, tipo de família, de virgindade, de pudor e havia mesmo muita repressão, o que também não era visto com bons olhos. Contudo, eu (ainda) tenho a mesma impressão de que aquele tempo era melhor de se viver.

    bacios caríssimar

    ResponderExcluir
  5. Ahhhh, esqueci de dizer que eu queria ter essa máquina do tempo e, quem sabe, ficaria por lá, num passado onde o ser humano era mais preocupado com valores e deveres.

    ResponderExcluir
  6. Muito legal você ter feito este "passeio" pela máquina do tempo...é verdade... os tempos de antigamente continham coisas boas, mas também tinha muita repressão e opressão, aparências sempre contavam mais do que tudo, um tempo limitador em muitos pontos, no meu modo de ver.

    Hoje em dia, não é perfeito, ainda não encontraram o justo equilíbrio ao se lidar com a tamanha liberdade que se tem, sem perderem-se na libertinagem, isso nos mais diversos setores de suas vidas, mas é muito melhor no sentido que há menos hipocrisia, mais igualdade, mais direito de escolha.

    Beijos amiga,
    Valéria

    ResponderExcluir
  7. Oi Marilene \o/
    Que crônica excelente;
    e a imagem tem tudo a ver com o texto.
    Acredito que todo período tem seu lado bom e seus absurdos...
    mas presumo que hoje,as pessoas são mais autênticas e transparentes.
    bjs :)

    ResponderExcluir
  8. Marilene, querida!
    Finalmente consigo seguir este teu blog, percebi que da outra vez aconteceu algo com o login em que eu estava e não foi possível, hoje vim com outro perfil, enfim, consegui.

    Interessante teu texto. Minha adolescência e as primeiras descobertas já foram agora neste tempo um pouco mais "aberto", e já foi possível falar e se expressar e fazer algumas coisas sem medo. Mas penso que hoje em dia, ao passo que essa abertura também trouxe liberdade; também deixou tudo mais escrachado e banalizado, também pasteurizado, como se as pessoas tenham que seguir esses padrões, e pelo contrário do que foi antes, se, por exemplo, uma menina quer permanecer virgem por mais tempo, para esperar um parceiro em que se sinta confiante, é vista como um ET.

    Beijos e estou adorando este teu blog também!

    ResponderExcluir
  9. Bom dia,Marilene!!!

    Penso exatamente assim!!! Claro que muitas coisas ainda podem mudar,mas que hoje temos o privilégio de escolher nosso caminho( e não só se contentar com o já traçado pela família...)é inegável!! Nem todas aproveitam...mas aí depende de cada uma,né?!
    Adorei o texto!!!!Bela reflexão!
    Beijos e meu carinho amiga!!!!!

    ResponderExcluir
  10. Em tudo na vida quando existe bom senso e equilíbrio, tudo fica mais fácil de viver, antes tantas proibições e hoje tanta liberdade sem limite.
    Agradeço sempre a Deus por ter sido educada do jeito que fui, mas sempre pensei assim, quando adolescente e pedia para ir a algum lugar e meus pais não deixavam, eu perguntava por que não podia e eles sempre me davam um motivo plausível, quando eu contestava bravamente, mas com muito respeito, eles algumas vezes permitiam que eu fosse, mas sempre diziam, cuidado e juízo, por que se fizer algo errado,m quem vai sofrer mais será você...diferente de hoje, muitos filhos nem dizem onde vão...prefiro do jeito que fui criada.
    Bela e inspiradora crônica, parabéns Marilene, bjs no coração.

    ResponderExcluir
  11. Querida Marilene, como escreves gostoso! Antigamente era muito rígido, o hoje está muito liberal, há uma liberalidade exagerada em algumas coisas. De bom mesmo foi a liberdade que a mulher conquistou, mesmo assim, muitas estão confundindo esta liberdade com libertinagem, vadiagem, sexualidade extrema com uma exposição demasiada do corpo. Amei! Bjus
    => Gritos da alma
    => Meus contos
    < => Só quadras

    ResponderExcluir
  12. "O espírito unifica os três modos do tempo numa certa simultaneidade: pela memória, temos o passado no presente; o presente actual temo-lo pela atenção; o futuro torna-se presente enquanto o esperamos."

    Beijo.

    ResponderExcluir
  13. Marilene, um beijo no seu coração. Eu gosto, e muito, de visitar o passado. Não faço isso para lamentar a falta que coisas que lá ficaram possam me fazer no presente. Mas faço assim por entender ser importante não esquecer o que fomos, o que passamos e o que vivemos. Dessa maneira continuarei no presente escrevendo o futuro para depois deixá-las publicadas no passado que, assim como o futuro, continuaremos escrevendo.

    ResponderExcluir
  14. Olá
    Querida Marilene
    bem...este é aquele tipo de coisas que não podemos ter de volta ou voltar atrás, são coisas que nunca poderemos ter novamente e da mesma forma.No decorrer de sua viagem na máquina do tempo pude "ver/sentir" toda uma mudança nos conceitos como na característica, embasadas nas correlações que eram existentes na meio da sociedade tradicional, e com certeza algumas melhorias vieram, e em outras, a degradação total do meio. Podemos dizer que, em alguns casos , relacionados à mulheres, muitas ações não surgiram somente agora, sempre existiram. No entanto, eram reprimidas. Com a liberação sexual e a independência financeira, elas puderam ser elas mesmas. Assumir essa postura sem medo da sociedade...e eu penso que por melhor que seja ou pior que esteja, é preciso sempre nos lembrar que a moderação é a medida natural de todas as coisas...
    Meu carinho
    Boa noite
    Beijos

    ResponderExcluir

  15. Olá mana,

    Concordo com você.
    As mudanças que vieram com a modernidade trouxeram mais abertura e possibilidade de escolhas, o que noutros tempos nem sempre era possível, a não ser por atitudes tidas como rebeldes. A rigidez na educação familiar era muito grande, embora a formação dos jovens fosse rica em valores. Muitos tiveram que renunciar a sonhos, pois não tinham liberdade para correr atrás dos mesmos. Porém, hoje, muitos fazem uso equivocado da liberdade conquistada e acabam se perdendo em suas opções. Há muito ainda a melhorar, mas os primeiros passos já foram dados.
    Subscrevo na íntegra suas colocações do último parágrafo.

    Beijo.

    ResponderExcluir

  16. Olá, Marilene

    O seu texto, uma reflexão, que nos leva a um passado não muito distante, relembrando uma sociedade que manietava a mulher, dando-lhe pouca ou nenhuma liberdade expressão. É verdade que não se pode generalizar, mas há agora para a mulher a possibilidade de escolha, podendo assim conduzir a própria vida.

    Um bom fim de semana.

    Bj

    Olinda

    ResponderExcluir
  17. Bom dia Marilene

    De modo algum, alguém poderá gostar de retroceder ao antigamente. Se recordar é viver, quem viveu nesse tempo sabe bem que hoje há liberalidade, entre homem e mulher, que antes não havia. No entanto não devemos confundir liberalidade com libertinagem, que muito vemos por aí.

    Beijos de consireção e amizade

    ResponderExcluir
  18. Olá Marilene,
    eu ainda não havia visitado esse seu espaço. Muito bom! Gostei da Marilene cronista como gosto, muito da poetisa (ou poeta como gostam outros).
    Parabéns! Eu também acho que o mundo melhorou com menos hipocrisia e repressão.
    Falta um pouco de romantismo, mas tudo é assim mesmo, perde e ganha...
    Um grande abraço

    ResponderExcluir
  19. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  20. É sempre bom dar uma voltinha na Máquina do Tempo! Enriquece, Instrui, Gradua... e muito mais!
    Mas eu quero ressaltara aqui que interessante e rara a tua visão Marilene, e eu concordo com ela!
    "Há mais autenticidade, hoje. Pode-se falar sobre tudo, sem policiamento. Pais e filhos se comportam de forma mais aberta. Os perigos são anunciados e demonstrados, mas a imposição de vontade perdeu seu lugar. Com todos os desafios que a modernidade trouxe, vieram conquistas inegáveis. "

    Muito bom texto!

    Bejuh do William

    ResponderExcluir
  21. Oi, Marilene! Gostei de ler seus pontos de vista, vendo o avesso (ou direito) da vida moderna.
    Temos a tendência nostálgica a achar que antigamente a vida era melhor, mas parando um pouquinho para pensar, houveram evoluções significativas, e isso não pode ser desconsiderado.
    Ótimo texto! Um abraço!

    ResponderExcluir
  22. um excelente texto sem dúvida alguma
    gostei imenso.
    um beijo

    :)

    ResponderExcluir
  23. Belo texto, Marilene! E como tudo, estamos num ponto de ótimas conquistas, mas falta ainda encontrar um ponto de equilíbrio: nem tanto lá, nem tanto cá. Vejo atitudes ainda inseguras de ambos os lados: nós porque conquistamos; eles porque perderam muito do comando. Mas o tempo, creio, colocará as coisas em seus devidos lugares, onde possa haver mais equilíbrio, mais discernimento, menos solidão e nós, mulheres, com uma vida mais plena.

    Adorei esse espaço!!
    Beijo, amiga.

    ResponderExcluir
  24. O meio termo é o ideal. Mas é difícil encontrá-lo.
    Beijinhos meus!

    ResponderExcluir

Marque presença! Ficarei feliz com seu comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...