9 de fev de 2012

MEDO

(Ismael Nery)


Já tive medo de fantasmas, de almas perdidas, de sombras. Já passei correndo entre  portas e corredores, sentindo arrepios de pavor. Já tive insônia após ver filmes de terror, sentindo a coberta se movimentar e percebendo luzes nas paredes. Já fui criança! Gostava de ouvir estórias sobre aparições em lugares ermos, mortos pedindo ajuda para familiares, pessoas que viam além do real . Meu pai narrava casos assim, ditos como ocorridos em suas viagens. Foi motorista de caminhão em uma época em que percorrer poucas distâncias demorava dias. Meus irmãos e eu adorávamos quando ele se dispunha a discorrer sobre seus mineiros "causos". E depois, andávamos, quase que agarrados  uns aos outros, até chegar ao quarto, de tanto medo. Mas a infância se foi ...

Hoje, não tenho medo das sombras, mas dos seres que as provocam. Daqueles que fazem da escuridão a sua morada, tanto no sentido real, quanto no figurado. Dos que não se mostram, camuflados por máscaras cheias de encanto. Dos que trazem sangue nas unhas, maldade nos pensamentos, revolta inconcebível contra pais e irmãos. Dos inconformados por nada alcançar, no comodismo de suas existências.

                                                          
Hoje, tenho medo do amanhã que a presunção nos traz, advindo do resultado da enorme insensatez dos homens, em busca de prazer e de poder; da descrença na justiça;  da falta de fé em Deus;  do exagerado destemor;  da procura da felicidade, a qualquer custo, como se fosse ela um objeto de consumo. Esse amanhã , sim, é assustador.

                                                    

(Imagens retiradas da internet . Se, inadvertidamente, estiver a ferir direitos, solicito seja avisada, para imediata regularização. )                                                              

15 comentários:

  1. Marilene querida

    Tenho me assustado e muito com tudo isso.
    E tenho rezado muito por dias melhores.
    Beijinho

    Lucia

    ResponderExcluir
  2. Nada fácil lidar com certos medos, mas infelizmente essa é a realidade em que vivemos. Deus nos ajude!

    ResponderExcluir
  3. Marilene, bom dia!
    Tão bom a vida que tínhamos!!! A simplicidade que vivíamos, que saudade! Saudade dos causos contados pelos nossos pais, saudade de tudo, era uma vida mais tranquila, mais saudável, e feliz! Não vamos olhar o outro, vamos continuar fazendo nossa parte, embora tenha razão em muita coisa que escreveu, também me assusta a maldade, a inveja, é tão simples amar o próximo, tão bom! Bjo grande!

    ResponderExcluir
  4. OI MANA,

    Éramos felizes e não sabíamos.
    Hoje o terror avança a passos largos e é preciso muita fé e oração para iluminar os corações daqueles que se encontram nas sombras da ignorância e do desconhecimento.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  5. Ôi! Passando pra convidar! Tem post novo e presente muito especial! Vem! Cada coração amigo conquistado, é mais uma luzinha a iluminar a nossa estrada! Uma 6ªF radiante e abençoada! Abraço fraterno e afetuoso! Elaine Averbuch Neves
    http://elaine-dedentroprafora.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida, aqui também tem post novo e lamento que não tenha tido tempo para lê-lo. Bjs.

      Excluir
  6. Na realidade minha querida Marilene, os tempos de criança passaram para nós e hoje os nossos medos são outros. Esses medos estão mais relacionada a realidade dos vivos, que o imaginário mundo dos fantasmas. Um beijo no seu coração.

    ResponderExcluir
  7. Por eso pienso que dar lo mejor de si mismo a cada instante con lo que aprendimos del pasado y de cara al futuro. Saludos.

    ResponderExcluir
  8. Vixie...Mari....e a senhorita escreve bonito demais...rs!!!
    Tambem tenho esses teus medos, com certeza, e um dos meus grandes medos alem da crueldade humana, é a de perder alguém da minha família...nao gosto nem de pensar!!
    Beijocas!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tati, esse é um medo que não perdemos. Não aprendemos a lidar com ele. Bjs.

      Excluir
  9. Marilene

    O mendo do amanhã é assustador, exactamente devido à insensatez de muitos, com cara de humanos poderosos na procura de esplendor, ao preço que for.
    De mais tenra idade, o pensamento é outro e gosta-se de emoções fortes ou não, isso já será uma opção muito pessoal.
    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Oi, Marilene!

    Lembrei do meu avô dizendo: "medo de fantasmas? Eu tenho medo é dos vivos!" rsrs E não é que de certa forma meu finado avô tinha lá sua razão?

    Pois concordo inteiramente quando você escreve "não tenho medo das sombras, mas dos seres que as provocam". É verdade: há pessoas que conseguem tornar um dia ensolarado e feliz um dia "blue", repleto de sombras ameaçadoras em todos os aspectos - e pobre daqueles que precisam lidar com tais "vampiros de almas". Acontece, em alguns casos, do amargor ser "contagiante".

    MEDO deste povo.

    Beijo pra você e ótimo final de semana! :)

    ResponderExcluir
  11. Quando deparei com a alegria desta sua casa de sonhos, meus medos se dissiparam para sempre,e a vida agora tem mais cores e cheiros e sabores.Que seus medos sejam outros.Beijo de amigo e leitor.:-BYJOTAN.

    ResponderExcluir
  12. Mari querida!!!
    Meus medos são de me colocar em risco sem necessidade. Evito portanto! Fora isso, acho que não tenho muitos medos. Talvez do lado cruel do ser "humano".
    Beijocas, minha amada!

    ResponderExcluir
  13. Marilene,seu texto ficou perfeito!Tantos medos ainda temos em adultos,mas agora são bem mais justificaveis!Bjs e grata por sua gentil visita tb!

    ResponderExcluir

Marque presença! Ficarei feliz com seu comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...