6 de fev de 2012

CONSELHOS

                                                             
Creio que somos todos péssimos conselheiros. Nós nos deixamos levar pela emoção ao ouvir o desabafo e um amigo, de uma pessoa querida, e mesmo de alguém por quem não nutrimos grande simpatia. Não conseguimos ouvir e permanecer em silêncio, mesmo sabendo que, na maioria das vezes, as pessoas desejam, tão somente, ser ouvidas. É como se, ao ouvir com a própria voz , a narração de um fato, de uma situação, já encontrasse ela um meio de solucioná-lo, de descobrir o próprio caminho.  Mesmo quando pedem nossa opinião, tenho por certo que já formaram a sua.  Salvo diante de questões que evolvem princípios éticos e tomada de posição não condizente com o que se espera de um ser humano, deveríamos fazer, gentilmente, um alerta. 

Apenas as crianças e os jovens precisam de exemplos. E reafirmo, de exemplos, e não de conselhos. Permitir que discutam um determinado tema, é importante. Ficar sugerindo comportamentos não é apropriado. Nossas experiências e expectativas divergem das dos demais, de sua cultura, de sua educação, de seu modo de encarar a vida. Não se impõe, com a utilização de conselhos, atitudes que, muitas vezes, as pessoas não estão preparadas para assumir. 

A grande sabedoria está em ouvir, não em falar.  Ouvir sem censurar, sem diminuir ou aumentar a sensação de desconforto sentida por quem conversa conosco, pode ser a melhor resposta que esperam de nós.

                                                                 

15 comentários:

  1. Marilene

    É normal que conselhos se peçam, para conferir decisões já tomadas. Se vierem de amigos da nossa confiança devemos sempre dar o nosso parecer. Se o fizermos, honestamente, estaremos a contribuir para com o nosso pensamento. Dar parecer e depois saber ouvir, podemos ficar a ganhar.
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Esqueci de dizer: postei novo capitulo no TOP SECRET OLAVO.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já fui conferir, meu amigo. Não posso perder o fio da meada (rs). Bjs.

      Excluir
  3. MARILENE, muito interessante esta sua postagem. Gostei muito do diferencial exemplo/conselho. Pensando friamente, o que somos para aconselhar? Um desastre, não é? Gostei também de ver que todos que vem pedir uma opinião, já a tem formada. É verdade mesmo. Participo de um grupo de ajuda e percebo que o melhor para as pessoas é serem ouvidas. Prestamos a maior atenção e não falamos nada. Envolver-se emocionalmente então, "infarta" a gente. No começo é difícil não se envolver, contudo com o tempo a gente acostuma e sabe que prejudica a pessoa se, por exemplo, chorarmos junto com ela.
    Adorei a sua postagem, querida amiga. Quem sabe, sabe!
    Bjos.
    Manoel.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você desenvolve um lindo trabalho e tem uma visão real do que acontece. Nem os terapeutas dão conselhos (rss) e são preparados para lidar com todos os tipos de situações e sentimentos. Bjs.

      Excluir
  4. Nossa...Mari, concordo com você demais, me policio o tempo todo para calar minha boquinha!!!
    Quantas vezes voltei de alguma reunião arrependida de ter falado demais e ter jurado que da próxima escutaria mais.Apesar de não ser muito faladeira, gostaria de falar ainda menos.
    Adorei o post!!!
    Desculpe o sumiço!!!
    Beijocas!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tati, sempre nos arrependemos por falar, nunca por escutar (rss). Tenho grande receio no tocante a conselhos, porque a maneira de sentir das pessoas é muito diferente, bem como sua percepção de fatos.

      Bjs.

      Excluir
  5. Amei Marilene.
    Muito sábio isso!
    E realmente é assim querida,muitas vezes apenas se quer ser ouvido.
    Mas isso se tornou raridade em muitos casos.

    Minha admiração pessoa querida.
    Beijinho.

    ResponderExcluir
  6. Passando pra desejar uma 3ªF iluminada e repleta de bênçãos! Aparece! Abraço fraterno e carinhoso!
    Elaine Averbuch Neves
    http://elaine-dedentroprafora.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  7. Olá, Marilene
    São muito sábias, as suas palavras.
    Tive a sorte de nascer com mais aptidão para ouvir do que para falar (excepto por palavras escritas :))) - gosto mesmo muito de escrever).
    Até com meus filhos opto sempre por ouvir o que têm para dizer. Conselhos, mesmo para eles, só se pedidos expressamente, e sempre com a ressalva: "bom, se fosse eu, talvez fizesse assim... mas isso tu é que decides".
    Vc tem toda a razão - quando alguém nos pede um conselho geralmente já antes decidiu o que fazer.

    Espero ver vc no dia 14...

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  8. Ouvir sem censurar, eis o caminho a seguir. Perfeito, amiga!
    Beijos e muito carinho!

    ResponderExcluir
  9. Disseste bem minha amiga Marilene, a grande sabedoria está em saber ouvir e não em falar. Mas poucos são aqueles que nas suas capacidades de compreensão, conseguem tal entendimento. Um beijo no seu coração.

    ResponderExcluir
  10. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  11. OI MANA,

    Concordo integralmente.
    Saber ouvir é uma arte. De fato, muitas desejam apenas falar, desabafar, encontrar alguém que os ouça com paciência e interesse. Conselhos só se dá quando é pedido.

    Por outro lado, COM CERTEZA, o maior ensinamento se faz através dos exemplos (SEJAM ELES BONS OU RUINS). Daí a responsabilidade de quem educa.

    Beijão.

    ResponderExcluir
  12. Polêmica sobre conselhos: "Se conselho fosse bom, a gente não dava, vendia". "Quem não houve conselho, ouve 'Coitado'", "para o diabo os conselhos de vocês".rs

    ResponderExcluir

Marque presença! Ficarei feliz com seu comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...