7 de nov de 2011

ENCONTROS DESAGRADÁVEIS

                                                                       
Já repararam que as pessoas têm enorme prazer em dar notícias ruins? Reclamam de jornais , televisão, afirmando que não nos alegram com informações felizes, que só apresentam desgraças e tragédias. Isso é fato. Mas quem compraria um jornal só para conhecer as conquistas de outrem, as realizações de terceiros, as alegrias que uma cidade ou ou povo estão a viver?  Diriam que a imprensa só mostra os que vencem e escondem a miséria. Sentir-se-iam como formigas, sem proteção contra os pés que as assolam. É impossível satisfazer a todos. Na mídia, o que me desagrada é a repetição. Quero conhecer os fatos, suas consequências... pronto. Quando algo passa a constituir voz frequente de chamada de qualquer noticiário, fico incomodada. Detalhes sórdidos não fazem parte do conteúdo fundamental de uma ocorrência. Mas muitos vivem deles, por incrível que nos possa parecer.

Quando encontramos alguém que não vemos há algum tempo e perguntamos se está tudo bem com a pessoa, sua família, podemos preparar os ouvidos para comentários do tipo: "vou indo... sabia que o dono da padaria tá com câncer?" " O médico que morava na rua tal , lembra, sua mulher foi embora!" "Ah,  o gerente do banco, perdeu tudo, fez umas burradas e está sendo processado". Você tenta se desvencilhar e logo vem mais: " Estava esquecendo de dizer, fulano morreu... e o filho de sicrano está consumindo drogas, acredita?"  Se não fugimos, rapidamente, vamos carregar só nuvens negras para casa.  

                                                              
Pode parecer que exagero, mas é difícil encontrar antigos conhecidos que  contem coisas boas. Aliás, o que ocorre com os demais, não é importante, naquele momento. Não desejamos receber uma descrição da vida de todos com quem já convivemos um dia. Sou do interior e todas as vezes que vou lá, é isso que acontece. Cada um que encontro fala sobre uma tragédia diferente. Na maioria das vezes, sem relação alguma com sua família.  Parece que, nem só os jornais, vivem de acontecimentos desagradáveis.

Isso me fez lembrar a colocação de Mario Quintana : " Dias maravilhosos em que os jornais vêm cheios de poesia... e do lábio do amigo brotam palavras de eterno encanto ..."

(Imagens retiradas da internet . Na hipótese de, inadvertidamente, estar ferindo direitos, gentileza avisar, para imediata regularização).

8 comentários:

  1. Realmente, conheço pessoas capazes de se regozijar em dar uma notícia triste...

    ResponderExcluir
  2. Como vc tem razão, querida!
    Os mídia massacram-nos a cabeça repetindo as mesmas histórias vezes sem fim.
    E parece terem um prazer especial em entrar nos pormenores macabros. Cada vez sinto menos vontade de ouvir notícias, mas precisamos estar atualizados... por isso temos que nos sujeitar.
    E quanto às pessoas... meus deuses! Quanto mais drama, melhor.
    Olhe, vamo-nos distraindo visitando os blogs amigos :) que sempre se aprende alguma coisa...

    Uma boa semana. Beijinhos

    ResponderExcluir
  3. Marilene

    Mais uma vez concordo e me encanto com seu texto.
    Podem me chamar de alinenada mas tenho preferido não ler os jornais e nem ver os notíciários da TV. Como dizia minha vó: tudo a mesma coisa.
    Vc mora em BH?
    Um beijinho

    Lucia

    ResponderExcluir
  4. Olá mana,
    Com os noticiários, apesar da repetição exagerada e dos enfoques dramáticos que dão às notícias já até me acostumei. Mas fujo o quanto possível dessas pessoas que só abrem a boca para contar fatos desagradáveis. Se possível, atravesso a rua ou não atendo o telefone. Bendito identificador de chamadas! (rsrsrs).
    Beijos.

    ResponderExcluir
  5. Às vezes eu penso que as pessoas tentam mitigar a própria inércia exaltando a tragédia alheia. Talvez seja uma forma de alívio para seu vazio que não se preenche com coisas fecundas e edificantes. Mas isso não é só pelo interior. Aqui, acho que pelo fato da dispersão ser maior e o tempo para o outro mais curto, a gente percebe com menos intensidade essa ociosidade mental. Gostei muito, Marilene.

    Meu abraço e MUITO OBRIGADO pelo carinho e solidariedade em minha perda. Paz e bem.

    ResponderExcluir
  6. realmente eh uma pena como a midia gosta de dar má noticias!
    bjs

    ResponderExcluir
  7. Marilene, sei que todo mundo diz isso, mas vou dizer também: Nem Cristo conseguiu agradar a todos, imagine nós, simples seres mortais. Agora, realmente existem pessoas que parecem porta-vozes da desgraça. Procuro passar longe desse tipo de gente. Ótimo artigo, minha querida. Um beijo no seu coração.

    ResponderExcluir
  8. Marilene

    Sobre a imprensa, são escolhidos artigos que vendem. Vender é procuram. A noticia, não é o cão que mordeu o homem, mas o homem que mordeu o cão.
    Quanto aos velhos amigos é diferente. Dependerá tudo da pessoa ser de carácter optimista ou pessimista.
    Beijos

    ResponderExcluir

Marque presença! Ficarei feliz com seu comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...