15 de ago de 2011

TRISTE SILÊNCIO !

                                                              

Não tenho medo do escuro, mas do silêncio. Ele é um tipo de escuridão onde a luz não penetra. Silenciam os que têm poder para influenciar a sociedade, silenciam os que têm sabedoria para dividir, silenciam os que podem mudar situações, revelar fatos escusos , denunciar abusos e crimes. Eles têm medo ou são levados pela comodidade, pelo pensamento de que não têm responsabilidade para com a sociedade.  Nem é preciso chegar à sociedade maior, esse silêncio está presente nas pequenas e grandes empresas, na família, nas relações de amizade. Um silêncio que, se não tortura quem por eles fez a opção, machuca terceiros por um longo tempo, até que a coragem faça surgir uma voz a ser seguida, um caminho novo a ser partilhado.

Muitos de nossos conhecidos cientistas, descobridores, criadores, provocadores de mudanças, só conseguiram seus feitos porque não se mantiveram em silêncio. Foram chamados loucos, sofreram, mas nos deixaram benefícios incontáveis.

                                                     
Mas não precisamos chegar a tanto. Há silêncios que destroem vidas, que amarguram pessoas, que permitem a incompetência, a corrupção, a promiscuidade. Há silêncios que contribuem para a escravidão (dita como não existente), para a dor, para obstruição de caminhos que poderiam levar à cura e à salvação. Silêncios que destroem a esperança.

O vizinho espanca a mulher, mas nada temos com isso. O tio abusa dos sobrinhos, mas o problema não é nosso. O garoto está envolvido em companhias perigosas, sem que a família saiba, mas nada representa para nós. Alguém está se aproveitando de cargos e usufruindo benefícios indevidos, mas precisamos garantir nosso emprego e fingimos nada ver. Os pais estão maltratando os filhos, mas ver aqueles olhinhos sofridos não provoca o nosso grito de indignação. Optamos pelo silêncio e por cuidar apenas de nossas vidas.


                                                         

TRISTE SILÊNCIO !



17 comentários:

  1. Concordo com tudo que você colocou no texto, mas te digo uma coisa: eu não silencio, eu não sou omissa e por isso já me aborreci muito, devido ao meu trabalho e à área onde eu leciono.
    Às vezes, me arrependo por me meter em alguns casos, mas é impossível ser omissa em certos momentos, principalmente se trato com crianças.
    Beijos da Mery

    ResponderExcluir
  2. É Mari... o silêncio muitas vezes assusta mas também é necessário de vez em quando..
    Adorei o texto!
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. As vezes eu prefiro muito mais o silêncio ...do que palavras mal ditas ou mal intencionadas...silencia e bom...Nem sempre,mais e bom!

    ResponderExcluir
  4. Este silêncio é mesmo assustador.
    Foi através de um grito que a nossa independência foi proclamada.
    Serão necessários outros tantos gritos e brados para despertar os corações indiferentes.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  5. A omissão pode ser muito pior do que uma agressão...
    Excelente texto, querida amiga. Gostei imenso.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  6. O silêncio tem várias faces, depende sempre de onde se encontra.Beijos

    ResponderExcluir
  7. Nossa foi fundo...:)
    e alguns silencios vão gerando impunidades...!
    Falou muito bem Marilene...Parabéns.
    Abraços e semana linda pra voce!

    ResponderExcluir
  8. Excelente artigo, Marilene!
    Palavra por palavra.
    A omissão é o PIOR dos silêncios.
    Não vi, não ouvi, não estava lá... é algo muito "costumeiro"...!!!
    BRAVO!...
    Está de Parabéns.
    Abração do
    Rui
    Boa Semana

    ResponderExcluir
  9. Vou voltar amanha para degustar esse texto e o do Momentos Fragmentados :)

    beijao Mari!

    ResponderExcluir
  10. O silêncio as vezes representa omissão. As vezes representa sofrimento. As vezes representa ausência. As vezes representa tempo de maturação. O que muda é o indivíduo e o momento que ele está vivendo.

    Adorei as questões sociais que você levantou (nos remete à omissão).

    Beijos Flor, adoro vir aqui. Sempre um excelente texto para nos abrir os olhos e o coração.

    ResponderExcluir
  11. A omissão! Ahh como eu odeio!
    Será omissão fraqueza?
    Por outro lado, estamos em um tempo que em certos casos, nao há o que ser feito. Mas é triste saber que a falta de silêncio tem que ser imposta nao pela fraqueza, mas justamente pelo medo de se expor.

    Boa abordagem, aliás, todas aqui, gosto muito.

    Beijos

    ResponderExcluir
  12. Mari querida, bom dia!
    Esse silêncio, é o silêncio que eu chamo de covarde! Calar-se diante de tantas coisas de nada adianta, o certo é gritar como a Verita colocou muito bem!

    bjokitas com master carinho!!!
    :)

    ResponderExcluir
  13. OI MARILENI!!!
    A PROPÓSITO DO TEU TEXTO, A FRASE PROFERIDA POR MARTIN LUTHER KING, ADEQUA-SE PERFEITAMENTE. " O QUE ME PREOCUPA NÃO É O GRITO DOS MAUS. É O SILÊNCIO DOS BONS." O COMENTÁRIO DA VERA LÚCIA, DIZ TUDO. TEM UMA ÓPTIMA SEMANA. RECEBE BEIJOS DOCES, DESTE LADO DE CÁ...

    ResponderExcluir
  14. .


    E agora, criança. Achou o espaço para
    o seu comentário?
    Beijos,

    silvioafonso




    .

    ResponderExcluir
  15. Pois tenho eu pensado em entrar no mais absoluto silêncio.
    Preciso muito.
    Abraços

    ResponderExcluir
  16. Marilene

    O teu escrito é uma voz indignada que se levanta. É uma das muitos de o mundo necessita. Muitas vozes se deviam, de repente, levantar num clamor, que pudessem alertar uma sociedade moderna, como que entorpecida, por esses génios do mal.
    Beijos

    ResponderExcluir
  17. Marilene, seu texto é ótimo e denuncia o silêncio e a omissão da era do "eu" em suas quatro paredes.

    É muito bom estar aqui.

    Beijos

    Luzia

    ResponderExcluir

Marque presença! Ficarei feliz com seu comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...