28 de jun de 2011

SAUDADE



                                                                


Assisti  um filme  bastante interessante ontem : O VELHO QUE LIA ROMANCES DE AMOR, baseado no mais conhecido best-seller do autor chileno Luis Sepúlveda. Seu enfoque principal é a defesa da selva amazônica, mas  eu o considerei poético. Apresenta diálogos simples,  que nos fazem pensar. Logo no início, uma frase chamou minha atenção. Um índio disse ao pernonagem principal que ele poderia ficar com a tribo, mas que deveria se ausentar, de vez em quando, para que sentissem sua falta.

Sábias palavras, pensei. Todos falamos de saudade como um sentimento doído, sofrido, até como originário do fim de uma relação amorosa ou de qualquer outro, definitivo. Essa é uma saudade não consentida. Mas existe outro tipo de saudade, aquela que sabemos ser passageira, que é suportável e diria até, estimulante.

A frase do índio mostrou o quanto é importante o afastamento, para que possamos sentir falta de alguém de quem gostamos. Isso não significa, no nosso mundo real, que as pessoas queridas têm que se ausentar, propositadamente, para depertar o sentimento. Mas prova que, principalmente em uma relação homem/mulher, não têm as pessoas que ficar grudadas umas nas outras. É necessário espaço para que respirem seu próprio ar, realizem seus interesses pessoais, participem das atividades que lhes dão prazer sem, necessariamente, ter que levar o outro. Não gostamos das mesmas coisas e temos direito de fazer o que nos motiva, nos incentiva, nos traz alegrias.


                                                              
Geralmente, na época do conhecimento, do namoro, sentimos essa saudade. Quando saímos com alguém e depois retornamos às nossas casas, nós nos lembramos do que fizemos juntos e ansiamos pelo próximo encontro. A saudade vem desse afastamento. Já ouvi pessoas dizerem que não tinham tempo para sentir saudades porque a pessoa amada ligava a todo momento.  É o grande erro de quem quer controlar, sente insegurança. E acaba provocando um afastamento definitivo.

Quando o casal já partilha a vida, costuma cair no mesmo engano, se um dos dois atribuir à união o sentimento de posse. Quanto mais livres forem, mais estarão unidos, porque, estando por qualquer razão, em lugares opostos, um sentirá saudade do outro. Acompanhar por obrigação não dá prazer a ninguém.  Não acorrentemos,  porque os elos machucam até ferir. Deixemos as linhas bem elásticas e poderemos sentir o prazer da saudade consentida, a mesma que o filme me mostrou. E nem decorreu de  um contexto amoroso, mas de amizade.

Eu utilizei o filme para falar de saudade. Mas ele tem muito mais para mostrar. É cheio de sensibilidade e amor à natureza. vale a pena conferir.




8 comentários:

  1. Marilene,
    Valeu a dica. Vou pegar o filme, já que passou pelo seu crivo.
    Esta saudade consentida é realmente salutar. É uma saudade gostosa de sentir, pois sabemos que
    o afastamento será temporário (seja da família, amigos, namorado, marido, etc).
    Beijoca.

    ResponderExcluir
  2. Eu o deixo livre para que sinta vontade de voltar... Essa é "prova" que preciso!
    #Fato!

    Bjoos cheios de saudade, rs!

    ResponderExcluir
  3. Este parece ser o tipo de filme que eu veria três vezes na mesma semana. Realmente Marlene, a saudade em si, é a prova de que os sentimentos são reais, e quando ela é motivado pelo amor então, "estimula" mais ainda, como você disse.

    Muito belo o seu blog, parabéns !

    Abraço ! www.disturbiossobrios.com

    ResponderExcluir
  4. Boa noite, Marilene
    Começando pelo filme vou tentar saber qual o título em Portugal, que a maior parte das vezes é diferente do do Brasil. O mesmo acontece com a maior parte dos livros - aqui são editados com um títlo e no Brasil com outro.

    Gostei muito da reflexão sobre saudade.
    Concordo que a ausência faz avivar a saudade, sentir a falta da pessoa de quem se gosta (não só com amor mas também com amizade).
    Contudo, usar esse truque da ausência para se fazer desejado... é preciso não abusar... porque lá diz o ditado:
    "Quem não aparece, esquece"- rsrsrsrssssssss

    Uma semana muito feliz, minha querida.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  5. Claro que não é títlo mas título!!! rsrsrsss
    + 1 beijito

    ResponderExcluir
  6. Valeu a dica, Mari, adoro filme e vou conferir sim!

    bj

    ResponderExcluir
  7. Oi, querida amiga tudo bem??
    Fico muito feliz que tenha gostado, obrigada por ter visto. Se puder repassa para seus amigos, me ajuda a divulgar, vou ficar muito agradecida.
    Sempre que possível estarei aqui dando uma espiadinha no seu blog, depois eu vou pegar esse filme, saudade é uma coisa que doí.
    Semana que vêm, postarei um vídeo novo.
    Boa semana,
    fica com Deus,
    beijos
    www.meninalimaoem.blogspost.com
    @limaomenina

    ResponderExcluir
  8. muito bom marlene, adorei as suas dicas amiga, passei pra deixar um beijo e pegar o "meu"selo, lindo, adorei!, AGORA é só colocar...a a noite vai esta la nos meus blog...

    obeigada querida,

    ate depois

    beijinhos

    ResponderExcluir

Marque presença! Ficarei feliz com seu comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...