8 de jun de 2011

PODE OU NÃO PODE ???



                                                            

As mulheres de minha geração receberam, desde a infância, uma enorme carga de palavras como "não pode/não deve".  E crescemos com a maior dificuldade para enfrentar certas situações, para tomar uma atitude (principalmente em relações afetivas), porque a orientação de nossos pais estava arraigada aos nossos costumes.

O mesmo aconteceu com os homens (e ainda ocorre). Também eles carregaram o fardo do "não pode/não deve. Só que com outra conotação. Não devem chorar, não podem se humilhar, devem ser fortes, são o esteio da família, são os responsáveis por encontrar soluções diante de problemas ... e por aí vai.

Assim, como era de se esperar, quando conhecíamos alguém, nosso comportamento, nem sempre, correspondia aos nossos reais desejos. E nem os deles, que controlavam as emoções, queriam se mostrar donos da verdade, não podiam fazer serviços domésticos... 
                                                    

Culpa de quem??? Das mulheres. Assim foram educados, e por mulheres. Quem tem filhos, hoje, deve ter isso em mente, a fim que de que os orientem de maneira diversa, possibilitando-lhes ser os companheiros que tanto gostaríamos, em nossa maioria, de ter encontrado... com uma lapidação mais fácil.

Eu me lembro de, certa vez, encontrar um colega de trabalho extremamente constrangido porque recebera flores. Nada adiantava dizer. Era convicto. Homens não deveriam ganhar flores. E acabei levando as tais flores para meu apartamento, para evitar que ele as jogasse no lixo.  Tive um chefe que,  quando seu filho se suicidou (uma grande tristeza), não nos cientificou do fato, simplesmente não compareceu ao trabalho. Lógico que obtivemos os esclarecimentos, pois era um homem responsável e um advogado rigorosíssimo. Não chorou. Sua dor saltava aos olhos, mas se conteve, provavelmente, em decorrência da educação que lhe deram.  Por falar nele, seus conceitos de condutas permitidas ou não eram tão extremos que a unidade jurídica só podia fazer comemorações se o local, restaurante, salão de festas, bar, fosse fechado para o evento. Ninguém que não fosse da área poderia, eventualmente, ver um dos profissionais beber um pouco mais, brincar, dançar, pois toda a classe ficaria desmoralizada.


                                                      

Como minha educação seguiu os mesmos parâmetros, foi com grande dificuldade que venci certos tabus, mesmo sabendo que eram compartilhados pelo sexo oposto.  Morando em SP, conheci, em um restaurante, um empresário mineiro que lá estava para reunião de negócios. Trocamos telefone, conversamos (eu sempre obtinha mais dados porque conduzia a conversa para onde desejava) e ele ficou de voltar a SP para me rever. Não dei credibilidade à promessa, mas não é que ele foi mesmo? Uma tarde, me ligou no trabalho informando o horário do vôo. Como qualquer mulher, fiquei meio baratinada. O que faria com ele??? (rss) Ia buscar, levar para jantar, mas onde ia hospedá-lo? Em meu apartamento que não seria, pois era um desconhecido. Quantas preocupações inúteis! Tudo correu bem e ele até já havia feito reserva no flat onde costumava ficar quando estava a trabalho.

Passados alguns dias, resolvi fazer-lhe uma surpresa. Liguei para uma floricultura em BH e solicitei que lhe mandassem flores. Escolhi, disse o que desejava no cartão e aguardei o resultado. Que decepção!! Justo com um mineiro fui fazer isso! O homem não sabia onde se esconder, de tanta vergonha. Confessou que disse à secretária ser brincadeira de um amigo. Pediu que nunca mais repetisse o gesto porque quem deveria mandar flores era ele e que mulheres não fazem isso. Tudo bem, mas eu não desejava um homem desses ao meu lado. Ele que ficasse em BH, curtindo seus "modernos" conceitos. Nunca mais o vi. Deve ter pensado que eu era muito ousada (hehehehehe). É cada uma!

                                                      

Por isso, mulheres, deixem seus filhos aprenderem o que é sensibilidade, que não há vergonha em chorar, que é lindo receber flores... e a torcida, certamente, vai agradecer.


10 comentários:

  1. Digitei duas vezes meu comentário, mas não sei se consegui enviá-lo. Se recebeu desculpe a impolgação, acabou virando quase um post.
    Bj

    ResponderExcluir
  2. Você tem toda razão, Marilene. As mulheres reclamam tanto dos seus namorados, dos seus maridos, pelo machismo, pela falta de sensibilidade, de delicadeza, mas elas criam os seus filhos para serem assim, o que querem? Vingar-se das noras porque tiveram maridos assim? Estava conversando com a minha dentista e, ela estava me dizendo que sempre disse ao filho: "Essa história de que homem não chora é a maior balela, filho. Chore, chore quando sentir vontade, não tenha vergonha.", mas o esposo dela, sempre dizia o contrário para ele. Ela disse que agora ele está na adolescência e já não chora, segue os conselhos do pai, quer ser o machão, porque homem que é homem, não chora! Acho isso uma judiação, sabia?! "Engula o choro e com ele os seus sentimentos!", é maldade demais...

    Ameeeei o texto!
    Beijos,
    Débora.

    ResponderExcluir
  3. Sensível e forte - como é típico das mulheres...

    ResponderExcluir
  4. Olá Marilene! Já conhece o nosso projeto? Pois bem, a ABL surgiu no fim do mês de abril de 2011 com o propósito de divulgar e fazer-se reconhecer a obra do escritor brasileiro (seja em que gênero for)! Seria de nossa imensa felicidade sua participação em nosso projeto! No momento estamos realizando um concurso. Quer participar? Veja como aqui neste link: http://associacaoblogueiradeletras.blogspot.com/2011/06/1-concurso-abl.html ou participe de nossa comunidade no orkut e saiba mais: http://www.orkut.com.br/Main#Community?cmm=113758892

    Atenciosamente,
    Equipe ABL

    ResponderExcluir
  5. concerteza, faz muito bem deixar claro isso.
    homem chora sim. muito muito importante mesmo, nao sabes o quanto.. bjus

    ResponderExcluir
  6. Tomara que isso mude não é?

    Chorar não é vergonha.. não mata ninguém. E receber flores também não! aff' não gosto desses costumes que não trazem nada de bom para ninguém.

    Tem toda razão no que dizes Marilene. toda razão!

    :DD

    Obrigada por retribuir a visita.. fiquei muito feliz ao ler o seu comentário! Volte sempre!!!

    BJuxx

    ResponderExcluir
  7. Talvez o cara ficou envergonhado porque era mineiro, não? Os mineiros são machistas por natureza.
    Concordo que deve haver uma mudança comportamental na educação dos filhos. Ser sensível sem perder a masculinidade é perfeito.
    Bitoca.

    ResponderExcluir
  8. olá, é um prazer muito grande estar conhecendo alguem como você, alguem com um estilo único para escrever, gsotei muito. Sei que ainda sou apenas uma aspirante a escritor perto de você, mas ficaria muito feliz se passasse no meu blog http://otaviomsilva.blogspot.com/ .
    Forte abraço, Otávio

    ResponderExcluir
  9. Os primeiros homens que vi chorar, me causaram certa pertubação... Achei aquilo ultra estranho, haha. Homem chorando por amor!?!
    Sim, eles choram... Graças a Deus!
    Imagina se não chorassem...

    Bjoo!
    Adorei o texto!

    ResponderExcluir
  10. Eu choro, e, não tenho vergonha! Acho que é uma das maiores demonstrações da sensibilidade de um homem...

    Chego aqui vindo do seu outro blogue e continuo a gostar do poder da sua palavra...

    O que fazer? Vou continuar a tentar descobri-la pela sua palavra...

    Seja feliz hoje e sempre...E por favor, lembre-se que a felicidade somos nós que a conduzimos...

    Saudações poéticas do Porto-Portugal

    ZezinhoMotA

    A Poesia do Zezinho http://zezinhomota.blogspot.com

    ResponderExcluir

Marque presença! Ficarei feliz com seu comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...