2 de mai de 2011

O PODER


                                                                  

O poder pode ser um nascedouro de prazer e uma oportunidade única para grandes realizações. Pode ser uma fonte a matar a sede de muitos,  em educação,  em sabedoria,  em melhores condições de vida e muito mais. Pode, pode, pode!!!  Mas é????

A história e a vida estão a nos mostrar o contrário. Todos os sonhos que alguém alimenta enquanto corre atrás dele caem por terra tão logo o adquirem. O egoísmo aflora. E os poderosos se tornam insaciáveis. Não olham mais para baixo e não se dão por satisfeitos. Há sempre alguém que tem mais poder que eles e dão início a outra batalha, "crescer" sem parar. Para trás fica a família, os amigos e os demais que o ajudaram na jornada.  Com o poder vem a desconfiança e a insegurança.

Esse poder pode vir da aquisição de bens materiais, de altos cargos, da possibilidade de decisões que afetarão a vida de muitos... e nem sempre tem a força imaginada pelos que o possuem. Podemos verificar isso em situações bem menos complexas. Patrões que não respeitam seus funcionários, que não os estimulam, que os humilham e destratam. Permanecem ali pelo medo dos subordinados, frente à necessidade de manutenção de um emprego. Jamais vão angariar simpatia e amizade. Mas ficarão rodeados de bajuladores.
                                                         

Outros, enveredam por caminhos obscuros, rendem-se aos acordos, promovem a injustiça e seguem como senhores feudais, a quem tudo era "facultado" em razão de seu poder.

Há, ainda, os poderosos mais terríveis, aqueles em cujas mãos está o destino do povo. Armam-se de belas palavras, conquistam, cativam e justificam todos os seus atos reprováveis, desqualificados, destruidores, como necessários à manutenção da ordem, da prosperidade, do crescimento.  Nós, o povo, lhes damos esse poder, na certeza de que haverá reciprocidade , e acabamos carregando frustrações e desatinos.

O poder é um afrodisíaco e quem o saboreia é capaz de qualquer coisa para não perdê-lo. Quanto mais crescem, mais afundam no julgamento divino, que é sábio.  Somos influenciáveis e nem sempre atentamos para detalhes reveladores, colocando poder em mãos não confiáveis.

                                                            
Isso não ocorre apenas na política. Acontece em sociedades menores, em núcleos como a família. Esposas colocam poder excessivo nos ombros do marido, permitindo-lhe utilizá-lo como bem o aprouver, em detrimento das necessidades dela própria e de seus descendentes.

Conceder o poder é muito mais fácil que retirá-lo, que lutar contra ele. É certo ser necessário coragem para conseguir o que se deseja, mas tirar o poder de alguém é tarefa árdua. Por isso mesmo, melhor fazermos a reflexão antes de o concedermos. Juntos, temos , realmente, um grande poder, mas um poder saudável . Não vamos desperdiçar essa faculdade. Ela é necessária em quase todos os momentos decisórios da vida, por menores que possam parecer, para que não adicionemos o sofrimento posterior à dor da culpa, em vista da responsabilidade que tivemos sobre o resultado de nossos atos .



2 comentários:

  1. Sua abordagem foi muito bem colocada.
    O poder vicía, corrompe.

    Como disse Abraham Lincoln :" Se quiser por à prova o caráter de um homem, dê-lhe poder".

    Bitoca.

    ResponderExcluir
  2. in effetti percepisco questa cosa ma non ci ho mai pensato riflettendoci "dare il potere", "delegare". Delle volte sembra un sollievo, uno sbrigarsi a far le cose, toglierci un peso per darlo ad altri. In realtà tutte le volte mi rendo conto che è come dici tu. Prima di cedere il potere bisognerebbe rifletterci parecchie volte, perchè l'altro che lo cerca (il potere) difficilmente ce lo renderà integro.

    ResponderExcluir

Marque presença! Ficarei feliz com seu comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...