9 de mai de 2011

POLÍCIA : FICO OU CORRO?



                                                                   

Polícia!!! Conhecemos sua responsabilidade e sua falta de preparo para lidar com certas situações. Não são incomuns seus erros fatais, a morte de inocentes jovens em situações não esclarecidas de forma satisfatória. É formada por homens e todos nós estamos sujeitos a falhas. Mas os homens que dela fazem parte haveriam que ter um preparo diferente do nosso. Usar uma arma requer, antes de tudo, não tenha seu portador a necessidade de se mostrar. A arma não é um objeto de poder, ou assim não deveria ser considerada.

Ontem nos reunimos no apartamento de minha irmã, para comemorar o dia de todas as mães da família. Tenho um sobrinho de 18 anos, centrado, de conduta impecável, um orgulho para todos nós. Ele não ficou para almoçar conosco porque tinha que trabalhar. Fez curso técnico na área de informática e domina bem o inglês, o que facilitou conseguisse rapidamente um emprego.  Presta serviços a uma operadora. A empresa exige que seus empregados tenham carro e providencia os equipamentos necessários, como escada, que fica presa ao veículo. Muitas vezes, ele tem que lidar com fios externos para resolver  problema técnico com a internet, além de configurar moldem e solucionar questões apresentadas pelos computadores. Já prestou vestibular e cursa uma faculdade, para a qual deve se locomover logo após o final das atividades profissionais.

                                                              
Na sexta-feira, ao voltar da faculdade, passando pela Avenida Raja Gabaglia, que tem intenso movimento (quem mora em Belo Horizonte o sabe), percebeu que um carro da polícia vinha jogando farol, pedindo passagem. Na confusão que a Raja apresenta nesse horário, ele teve que dirigir um pouco mais até conseguir se afastar para a direita. Teve que parar diante  de uma casa noturna bem movimentada. E não houve sequer tempo para respirar e aliviar a ansiedade. Os policiais desceram do carro com armas em punho, retiraram-no do veículo, revistaram-no, sem sequer pedir, antes, documentos ou qualquer informação. Revistaram também todo o carro, mesmo percebendo que era um veículo de trabalho. Ele ficou exposto a um grande constrangimento e posso imaginar, por seu temperamento, o quanto estava assustado.  Contou ele que apenas pedia "calma" aos policiais.  Depois de toda a confusão, um deles, em tom grosseiro, perguntou se ele estava "ralando". Respondeu que já o havia feito durante todo o dia e que retornava da faculdade. Ainda foi destratado e acusado de ter atrapalhado o serviço policial,  que estavam perseguindo um suposto delinquente e que perderam tempo ao pará-lo.  Se eu fiquei angustiada ao saber o ocorrido, imagino o que sentiu minha irmã, que é mãe dele. Sabemos o que pode resultar de uma ação do tipo.
                                                         
Por isso, pergunto: você , em momentos de aperto, corre para perto ou para longe de um policial. Gostaria tanto que todos pudéssemos responder afirmativamente. Mas sei que não. Poderia até mencionar outras situações do tipo, vivenciadas por pessoas conhecidas. Aliás, onde está a polícia quando precisamos dela? No sábado, a loja de minha irmã, localizada em um shopping de bairro, foi assaltada, logo que  aberta. Nenhum policial por perto. Vai ver estavam assustando jovens indefesos que se digiam para suas casas, após a noite de sexta-feira.



6 comentários:

  1. Muito bom seu texto, essa é uma realidade em todas as cidades brasileiras praticamente.Beijos

    ResponderExcluir
  2. ESTOU ARRASADA. SOMENTE AGORA ESTOU SABENDO. TENHO HORROR DE POLÍCIA.
    A MAIORIA DE SEUS AGENTES NÃO TEM PREPARO, SÃO PESSOAS DE POUCA CULTURA E POUCA FÉ, E SENTEM UMA NECESSIDADE ENORME DE DEMONSTRAR PODER.
    ÓTIMO POST.
    BJ.

    ResponderExcluir
  3. Pergunta complicada, mas quero sempre acreditar nas instituições legais.

    ResponderExcluir
  4. Há situações mesmo revoltantes e a postura de muitos policiais é essa mesmo .. intimidar.. infelizmente em todas as profissões existem os "bons" e os "maus" profissionais.. e nota-se claramente que muitos não possuem o preparo devido. Ficar ou correr?.. nos dois casos corremos perigo.. se ficar podemos passar por situações semelhantes a essa e se correr, podemos receber tratamentos de "bandidos".. como já houve vários casos. Realmente é difícil se fazer uma escolha diante dos tais chamados "homens da lei"..

    Beijocas super em seu coração Marilene!
    Verinha

    Ops.. tem um presentinho lá para vc [:)]

    ResponderExcluir
  5. Marilene,que texto belo,porém triste pois nos mostra a realidade de como são os homens da lei em quem deveríamos e poderíamos confiar.Pior que isto é que existem os bons,mas como saber distinguir em uma hora desta em que passou seu sobrinho.Vamos pedir a Deus que nos ilumine.Um grande beijo!

    ResponderExcluir
  6. Passei por aqui e dei de cara com um post tão complexo de se comentar... sinceramente, tenho muito receio dos chamados/ditos homens da lei! Portanto, prefiro me abster de respostas...rsrsrs em tempo: formoso seu canto aqui,,,

    ResponderExcluir

Marque presença! Ficarei feliz com seu comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...